Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Sem Serra, grupo de Doria já mira em vice

Gilberto Kassab (PSD) e Rodrigo Garcia (DEM) são cotados para compor a chapa

Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2018 | 05h00

O anúncio de que o senador tucano José Serra não disputará as eleições neste ano fortaleceu dentro do PSDB o nome do prefeito de São Paulo, João Doria, como candidato do partido ao governo do Estado. Aliados do chefe do Executivo paulistano que lideram um movimento de “apelo” à candidatura Doria para alavancá-lo na disputa interna já articulam agora a composição de uma chapa forte em torno do prefeito para concorrer à sucessão do governador Geraldo Alckmin contra o atual vice, Márcio França (PSB), que deve assumir o governo em abril com a saída de Alckmin para disputar a Presidência da República.

+++Serra anuncia que não disputará eleição deste ano

Embora outros três tucanos tenham demonstrado interesse em concorrer ao governo paulista – o cientista político Luiz Felipe d’Ávila, o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, e o ex-senador José Aníbal –, Serra era visto como o principal obstáculo interno para o grupo de Doria por contar com muitos aliados na máquina partidária. Com o senador fora do páreo, aliados do prefeito querem agora avançar na costura de alianças com outros partidos e conter a articulação feita por Márcio França, que já anunciou o apoio de três legendas – PR, Solidariedade e PROS –, e mira outras siglas do bloco que formou dentro da base de Alckmin na Assembleia Legislativa, como PV, PP e PPS. 

Hoje, a aliança em torno de Doria envolve dois nomes que despontam como possível vice na chapa do prefeito: o secretário estadual da Habitação, Rodrigo Garcia (DEM), e o do ex-prefeito da capital e ministro das Comunicações, Gilberto Kassab (PSD). Segundo aliados do prefeito, Kassab leva certo favoritismo por comandar o partido e deter mais tempo de TV, com a quinta maior bancada na Câmara, com 38 deputados. Desta forma, a candidatura a vice na chapa de Doria seria uma contrapartida ao apoio do PSD ao nome de Alckmin à Presidência. 

+++Na disputa pelo governo de SP, França prioriza partidos menores

Segundo integrantes do PSD, Kassab já havia se comprometido a apoiar qualquer candidato tucano ao governo mesmo antes da desistência de Serra, seu principal aliado. Além disso, afirmam que o ex-prefeito está empenhado em demover o ministro da Fazenda, Henrique Meireles, filiado à sigla, da ideia de se candidatar ao Planalto, abrindo caminho para a coligação com Alckmin. Kassab deve se encontrar com o governador e o prefeito na próxima semana em São Paulo para conversar sobre a coligação. 

Já a composição com o DEM, aliado de primeira hora do PSDB paulista e que já lançou Rodrigo Garcia pré-candidato ao governo, dependeria da desistência da candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), ao Planalto. Maia tem articulado apoio com outros partidos e disse nesta semana que se sua situação nas pesquisas melhorar – hoje ele tem 1% das intenções de voto –, disputará a Presidência.

+++Não existe possibilidade de candidato não ser Alckmin, diz FHC

Outro nome cotado como possível vice de Doria é o de Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Filiado ao MDB, Skaf rejeita a ideia de não disputar o governo do Estado pela terceira vez – concorreu em 2010 e 2014 –, mas poderia compor uma coligação majoritária com o PSDB sendo candidato ao Senado. A senadora Marta Suplicy, contudo, postula a vaga do MDB.

Renúncia. Ao mesmo tempo em que articulam alianças, aliados de Doria afinam o discurso para amenizar, junto ao eleitor, o efeito de uma renúncia precoce – o prefeito prometeu cumprir o mandato até o fim. Por isso, deputados, prefeitos e vereadores tucanos têm feito caravanas até o gabinete de Doria com “apelo” para que ele seja o candidato do partido ao governo e dizendo que à frente do Estado ele poderá fazer mais pela cidade. “Cabe a nós convencer o Doria a ser candidato a governador, em um cenário que não cabe nem prévia”, disse o tucano Orlando Morando, prefeito de São Bernardo do Campo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.