Sem mudança econômica, nem Cristo faz reforma agrária, diz Stédile

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra, João Pedro Stédile, afirmou há pouco que, se não houver mudança na política econômica do governo , nem Jesus Cristo fará a reforma agrária no País. "Se não mudar na política econômica, pode botar Jesus Cristo no Incra, que não faz reforma agrária", disse. Ele não quis polemizar com João Paulo Rodrigues, outro coordenador do MST, que defendeu a saída do ministro da Fazenda, Antonio Palocci. "Não vou rebater o companheiro, mas usamos muito nas assembléias a retórica pedagógica. Evidente que, para nós, não se trata de pedir a cabeça de fulano e de beltrano. Isso é problema do governo", afirmou. "O que nós queremos - e temos o direito porque votamos nele e porque é isso que o povo queria -, é uma mudança na política econômica", completou. "Uma vergonha"Para ele, o balanço do primeiro ano do Plano Nacional de Reforma Agrária, completado nesta semana, é "uma vergonha" e a reforma agrária do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva anda a passos de "tartaruga". As declarações foram feitas por Stédile em entrevista na Câmara, onde o líder do MST participa de um seminário sobre os alimentos transgênicosStédile disse, ainda, que o governo não honrou os compromissos que assumiu, não só em relação às metas de assentamento, mas também quanto à maneira de tratar a questão dentro de uma política de priorizar regiões, reformular o Instituto Nacional de Colinização e Reforma Agrária (Incra) e criar condições para capacitar os assentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.