Wilson Junior/Estadão
Wilson Junior/Estadão

Sem líder desde Cunha, Maia aumenta influência sobre Centrão

Presidente da Câmara aproveita negociações em torno da reforma ministerial para assumir liderança de grupo

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2017 | 05h00

BRASÍLIA - Principal interlocutor do Legislativo com o Palácio do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aproveitou as negociações em torno da reforma ministerial para assumir a liderança do Centrão. 

O grupo, que reúne cerca de 200 deputados de partidos como PP, PR, PSD e PRB, se tornou aliado prioritário de Maia em detrimento do PSDB, que se enfraqueceu diante do racha sobre a permanência da sigla no governo e das denúncias contra o senador Aécio Neves (MG). 

O parlamentar fluminense usou sua articulação junto ao presidente Michel Temer para aumentar a influência sobre o grupo de partidos, que estava sem liderança desde a cassação do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Maia conseguiu emplacar o deputado Alexandre Baldy (sem partido-GO), um de seus principais aliados, como ministro das Cidades com apoio do PMDB e do Centrão.

O presidente da Câmara também tentou costurar um nome ligado a ele para a Secretaria de Governo. A exemplo de Baldy, chegou a articular o ex-ministro mineiro Roberto Brant como um nome de consenso do Centrão e PMDB para substituir Antonio Imbassahy (PSDB-BA) na pasta. Brant é um dos ideólogos do novo programa do DEM, sigla a qual já foi filiado – hoje ele está sem partido. O PMDB, porém, não aceitou. A bancada peemedebista quer emplacar o deputado Carlos Marun (MS) para o posto. 

+++Base articula nomes alternativos a Marun

“O Rodrigo assumiu a liderança de toda a base aliada. Tem sido um cara extraordinário”, avaliou o líder do PSD na Câmara, Marcos Montes (MG), ao Estadão/Broadcast. “O Rodrigo está conduzindo muito bem, fazendo uma interface entre a Câmara e o Planalto, colaborando muito com o governo, mas também impondo os interesses da Câmara, diz o líder do PR na Casa, deputado José Rocha (BA). 

Segundo aliados, a liderança sobre o Centrão é importante para o projeto de Maia de se reeleger presidente da Câmara em janeiro de 2019. Em sua primeira eleição, em julho de 2016, o parlamentar fluminense teve como principal adversário justamente um nome do grupo, Rogério Rosso (PSD-DF). Na reeleição, em janeiro deste ano, o Centrão se dividiu: parte apoiou Maia e outro grupo, o deputado Jovair Arantes (PTB-GO). 

+++Temer recorre a aliados para acalmar tucano

A influência sobre o Centrão aumenta a dependência do governo em relação a Maia, principalmente em meio à análise da reforma da Previdência, principal bandeira de Temer atualmente. Como presidente da Câmara, cabe a Maia pautar as votações.

Ciente do movimento, Temer faz acenos a Maia. Na posse de Baldy, na quarta-feira, o presidente ressaltou a influência na reforma ministerial do presidente da Câmara, que tornou sua residência oficial como uma espécie de QG para discussões sobre as mudanças na Esplanada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.