'Sem interesse em cargos', Marta Suplicy ajuda Dilma a preencher cota de mulheres no governo

Fonte próxima à senadora eleita diz que ela pretende cumprir seu mandato na Casa

Rodrigo Alvares, Estadão.com.br

23 de novembro de 2010 | 15h47

Eleita senadora por São Paulo, a ex-prefeita Marta Suplicy (PT-SP) tem conversado frequentemente com a presidente eleita, Dilma Rousseff, para ajudá-la a preencher a cota de mulheres prometida pela então candidata para a Esplanada dos Ministérios. Uma fonte próxima a Marta diz que ela pretende cumprir seu mandato no Senado e acrescentou: "Não tenho visto nela vontade de ir para qualquer ministério".

 

Disputa interna. Para petistas ligados ao candidato derrotado ao governo de São Paulo Aloizio Mercadante, o consenso é que Marta "foi eleita para ser senadora". "Não faz sentido agora ela sair do Senado. Ela tocou a campanha de uma forma muito individual", disse recentemente o prefeito de Osasco, Emídio de Souza.

 

"Nós precisamos reconhecer o esforço das pessoas", reforçou Emídio. " Mercadante tinha uma eleição certa para o Senado. A pedido do presidente Lula e do PT ele foi candidato ao governo de SP, o que era sabidamente difícil. Fez um excelente papel e o PT tem de reconhecer o papel dele. Ele está preparado para ser ministro, é um quadro extremamente preparado para qualquer ministério. Ele tem várias áreas que pode ir. Mas quem vai escolher é a presidente. Ela que vê o que dá, o que não dá."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.