Sem Ficha Limpa, PSDB e PSB ganham senadores

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que a Lei da Ficha Limpa não se aplica às eleições de 2010 refletirá na composição do Senado, permitindo a posse de candidatos que tiveram a maior votação no pleito de outubro, mas foram barrados devido à "ficha suja". O presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), afirmou nesta manhã que aguarda orientação do Supremo sobre o cumprimento da decisão. Por isso, ainda não há data definida para a posse dos novos titulares.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

24 de março de 2011 | 13h28

Devem haver quatro mudanças no Senado. Entre os representantes do Pará, Jader Barbalho (PMDB) assume no lugar de Marinor Brito (PSOL). Pelo Amapá, João Cabiperibe (PSB) ficará com a vaga de Gilvam Borges (PMDB). A cadeira da Paraíba que era ocupada por Wilson Santiago (PMDB) será agora de Cássio Cunha Lima (PSDB). Já Vicentinho Alves (PR), senador por Tocantins, será substituído por Marcelo Miranda (PMDB).

Com as mudanças, crescem as bancadas do PSDB, que ficará com 11 senadores, e do PSB, com quatro integrantes. A bancada do PR cai para quatro parlamentares e a do PSOL para um. O PMDB continua sendo o maior partido na Casa, com 19 senadores. A bancada peemedebista não se alterou, pois perdeu duas vagas mas ganhou outras duas.

Mais conteúdo sobre:
Ficha LimpaSenadoPSDBPSB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.