Estadão e Divulgação
Estadão e Divulgação

Sem favorito

Candidatos em SP estão todos no mesmo barco do amplo desgaste e baixa credibilidade

Rosângela Bittar, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2020 | 03h00

A mais prudente, equilibrada e consistente das apostas para a eleição municipal de São Paulo não arrisca um vencedor. Nem um nem dois, admitindo-se como provável o segundo turno. Mesmo com a nitidez da pesquisa Estadão/Ibope, publicada domingo, a demonstrar a força eleitoral de cada um.

São dois grupos, um à frente, na faixa de 6% a 24%, e outro bem atrás, entre 1% e 2% da preferência. O que se apresenta, portanto, é um quadro de amplas possibilidades. Tudo pode acontecer nos próximos 55 dias de campanha. Inclusive, nada. Não será surpresa se prevalecer o instantâneo deste momento.

Bruno Covas (PSDB) conta com apoio da maioria à sua administração e tem obras e programas sociais como provas de suas promessas de campanha. O eleitorado guarda dele uma imagem de dedicação à cidade, por haver se mantido no comando enquanto se submetia a um duro tratamento de quimioterapia. É seu o maior tempo para propaganda na TV e conseguiu uma coligação que reúne o apoio de dois grandes partidos, MDB e DEM.

Márcio França (PSB) ficou com uma fatia significativa da esquerda, desde o PDT aos sindicatos, e soma os efeitos residuais de sua passagem pelo governo. Ninguém lhe tira a condição de principal candidatura anti-Doria, seu último adversário de campanha, ainda na memória. É este o papel que vai encarnar, com vontade.

Embora na vala comum dos que marcaram 1% nesta largada, o PT deve reagir. A expectativa é de crescimento, depois que as pesquisas sobre a chance da candidatura Lula em 2022 forçaram a união interna e a reacomodação dos grupos.

O candidato Jilmar Tatto, vencedor de uma prévia sangrenta, uniu-se ao adversário Carlos Zarattini, reunindo o PT orgânico num gesto que pode ter estancado a debandada para a candidatura de Guilherme Boulos (PSOL). Tem a chance, ainda, de representar opção para as esquerdas e a oposição, mesmo que perca para Boulos seus ideólogos da academia e das artes.

O candidato do PSOL terá de disputar a esquerda e a oposição com PSB e PT, mas, ao contrário destes partidos, terá a chance de explorar a impostura da antipolítica, a mais desmoralizada das bandeiras eleitorais brasileiras.

Trunfo que precisará dividir também com Celso Russomanno (Republicanos). O último a aparecer, o novo-antigo, o mais frustrado dos sempre favoritos. Russomanno sofre ambiguidades que transformam sua candidatura numa incógnita. Tem a vantagem e a desvantagem de ter o apoio do presidente Jair Bolsonaro. Com rejeição profunda, ainda não se sabe a extensão desse efeito, mas tem a mão presidencial a aliança com o PTB, forte em São Paulo.

Estão todos no mesmo barco da baixa credibilidade, do amplo desgaste e do profundo desconhecimento dos efeitos da pandemia sobre o humor do eleitorado. Que pode deixar para decidir na última semana. Neste caso, sempre sobra para o menos rejeitado.

Sem máscara

Os parlamentares se renderam e estão engolindo a seco, empurrada pelo líder Ricardo Barros, a obsessão de Paulo Guedes por recriar um imposto tão injusto quanto de fácil arrecadação: a CPMF.

Justiceiro errático, Bolsonaro cunhou o lema de campanha “não tirar dos pobres para dar aos paupérrimos”, mas com o novo imposto vai tirar de todos: paupérrimos, pobres, remediados, assalariados, bolsistas emergenciais, aposentados e quem mais tiver contas a pagar. Para manter privilégios de empresários, banqueiros, detentores de grandes fortunas e outros mágicos exímios em escapar das garfadas do Fisco.

Como a CPMF, o novo imposto será provisório até poder ser permanente. E se desmembrará da reforma tributária para andar sozinho, trocando a vida difícil pela vida fácil. Quem derrubou a CPMF precisa notar que está prestes a aceitar seu irmão gêmeo univitelino.

*REPÓRTER E ANALISTA DE ASSUNTOS POLÍTICOS DO ‘ESTADÃO’

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.