GABRIELA BILO / ESTADAO
GABRIELA BILO / ESTADAO

Sem Doria, Alckmin começa maratona de inaugurações do metrô em clima de campanha

Obras estavam com três anos de atraso; interlocutores do prefeito dizem que o convite para participar do evento foi feito em cima da hora e enviado para um email que não existe

Pedro Venceslau, Adriana Ferraz e Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2017 | 18h12

Com três anos de atraso e a oito meses de deixar o cargo para disputar a Presidência da República, o governador Geraldo Alckmin inaugurou em clima de campanha nessa quarta-feira, 6, três das 25 estações do metrô que serão entregues até março de 2018.

A grande ausência no palanque montado na estação Brooklin, onde o tucano discursou, foi o prefeito João Doria, que também pleiteia a vaga de candidato do PSDB.

Quando questionado se Doria foi convidado, Alckmin disse que sim. “O nome do nosso prefeito está em todas as placas e ele é convidado para todas as nossas obras. Isso é automático”.

Já interlocutores de Doria dizem que o convite foi feito em cima de hora e enviado para um email que não existe. O “desencontro” causou desconforto entre aliados e secretários da prefeitura e do governo.

Entre as lideranças tucanas estavam no palanque ao lado de Alckmin estavam o ex-governador Alberto Goldman, vice-presidente nacional do PSDB, e José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, braço teórico do partido.

“O Brasil precisa de investimento público com austeridade e resultado. Precisa de gestor público e político que tenha competência e sensibilidade de atender as maiorias”, disse Aníbal.

Antes da fala de Alckmin, a ex-deputada Zulaiê Cobra pediu a palavra e fez um discurso ainda mais incisivo. “Teve um homem que amei muito na vida: o Mário Covas. Ele deixou o que tinha de melhor para o Alckmin. O Covas vive nesse homem. Covas ia ser presidente, mas morreu. Não deu tempo. Agora nós temos um presidente que é o Geraldo Alckmin. Não tem para ninguém. Dona Lu, você será a primeira dama do Brasil”.

Para amenizar a crise na relação, o prefeito e o governador devem participar de agendas juntos nos próximos dias. Nessa quinta-feira, eles estarão juntos no desfile de 7 de setembro. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.