Sem citar Sarney, Lula critica condenação prévia da imprensa

Presidente alerta novo procurador-geral de que Ministério Público deve pensar na biografia dos investigados

Leonencio Nossa, da Agência Estado, e Felipe Recondo, de O Estado de S. Paulo,

22 de julho de 2009 | 11h32

Em meio a novas denúncias contra o presidente do Senado, José Sarney, publicadas nesta quarta-feira, 22, no Estado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva alertou o novo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de que o Ministério Público deve ter responsabilidade e pensar na biografia dos investigados.

 

Veja também:

lista O ESTADO DE S. PAULO:Gravação liga Sarney a atos secretos

somÁUDIO: Ouça os diálogos que ligam Sarney a atos secretos e a Agaciel

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

"A única coisa que eu peço é que o Ministério Público tenha o direito e a obrigação de agir com o máximo de seriedade, não pensando apenas na biografia de quem está investigando, mas na biografia de quem também está sendo investigado", afirmou Lula, sem citar nomes ou fatos. E acrescentou: "no Brasil, às vezes, a pessoa é condenada antes, dependendo da carga da manchete da imprensa".

 

No discurso de posse do novo procurador, Lula lembrou que o Ministério Público ganhou amplos poderes na Constituição de 1988, mas alertou para o fato de que isso pode mudar, por ação do Congresso Nacional. "Nós sabemos que a mudança nunca será por mais liberdade, mas por mais castramento", disse Lula, numa referência à proposta de emenda constitucional chamada Lei da Mordaça que responsabiliza os promotores que moverem ações consideradas temerárias.

Tudo o que sabemos sobre:
José SarneyLulaatos secretosSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.