Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Sem citar Dilma, Lula volta a dizer que elegerá 'sucessora'

Em evento do PAC, presidente aproveitou para criticar aqueles que dizem que o Bolsa-Família é 'esmola'

CLARISSA OLIVEIRA, Agencia Estado

14 de julho de 2009 | 16h34

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva retomou nesta terça-feira, 14, com força total a campanha para eleger a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, ao Palácio do Planalto. Em visita a Alagoas, acompanhado da ministra, o presidente disse que vai eleger sua "sucessora". "Está chegando o ano eleitoral. E eu não posso falar de eleição. Mas eu só vou dizer uma coisa para vocês. Pode escrever. Eu vou fazer, vou ajudar a eleger a minha sucessora", disse Lula, ao discursar na cerimônia de inauguração de uma adutora em Palmeira dos Índios, no interior do Estado. Após uma longa pausa para aplausos, o presidente emendou: "Ou sucessor".

 

Veja também:

linkAo lado de Collor, Lula critica 'política de compadrio' dos antecessores

A obra inaugurada nesta terça faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), coordenado por Dilma, e teve contrapartida do governo alagoano. Ao iniciar o discurso, ao lado do governador tucano Teotonio Vilela Filho, Lula havia dito justamente que a parceria servia de prova de que o objetivo não era buscar votos. "O que aconteceu aqui é que nós não estamos pensando em 2010", disse Lula, que foi exaustivamente elogiado pelo tucano em seu próprio discurso.

Ainda assim, ao final da fala, o presidente voltou a citar a disputa eleitoral, dessa vez criticando um discurso semelhante ao que guiou o início de sua vida política. "Na época das eleições, pobre tem um valor incomensurável. A coisa mais habitual em época de eleição é a gente ver candidato xingar banqueiro, xingar grande empresário, xingar usineiro. E o povo é maravilhoso. Passadas as eleições, o povo nunca mais é chamado para nada", disse Lula.

Ao exaltar sua preocupação com o Nordeste, Lula destacou que, em decorrência das dificuldades da região, é justamente ali que está a maioria dos beneficiários da Bolsa-Família. "Muita gente, quando nós criamos o Bolsa-Família, falou que era esmola. Mas quem fala que é esmola normalmente é gente que não precisa do Bolsa-Família", rebateu.

Dilma, que discursou antes de Lula, passou longe do tema eleição. Depois de trocar o nome da cidade por Palmeira das Missões, ela investiu na aproximação com o Nordeste, base eleitoral de Lula. "Precisou outro nordestino chegar à Presidência do Brasil para que a vida difícil desse povo começasse a mudar", disse a ministra.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010LulaDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.