Sem candidato, PMDB assina atestado de óbito, diz Itamar

Caso o PMDB não tenha candidato próprio na eleição presidencial deste ano, pode assinar o seu atestado de óbito. A opinião é do ex-presidente da República e pré-candidato da legenda para a eleição presidencial deste ano, Itamar Franco. Itamar está no diretório do PMDB em São Paulo, onde recebe apoio à sua candidatura presidencial. Ele disse não entender como o PMDB, um partido tradicional, de dimensão nacional e com capilaridade em Estados e municípios, não tenha candidato à Presidência."Os que pregam que o PMDB não tenha candidato, deveriam sair do partido e ir para aqueles partidos que os interessam", afirmou. Para ele, mais importante do que uma vitória nos governos estaduais, e a formação de uma grande bancada para o Senado, é a eleição do presidente da República. "É evidente que num presidencialismo distorcido como o nosso, quem é o comandante do processo? É o presidente da República e não o governador e o senador. Todos têm de ir a Brasília buscar favores para seus Estados e municípios", argumentou. "É com esta distorção que não entendemos porque o PMDB, por vozes que não tenham aquela tradição peemedebista, continuam pregando que o partido não tenha candidatura própria". No próximo sábado, o PMDB realizará um encontro em Brasília para decidir se manterá ou não uma candidatura própria para a Presidência da República. Além de Itamar Franco, o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, também é pré-candidato pela legenda. Itamar não quis comentar a greve de fome que Garotinho faz há nove dias em protesto contra as acusações de fraudes financeiras na sua pré-campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.