Seleção de Ciência sem Fronteira poderá ser por renda

A presidente Dilma Rousseff fez um balanço do programa Ciência Sem Fronteiras, durante entrevista coletiva no Palácio do Alvorada. Em campanha para reeleição, ela afirmou que um critério a ser usado no futuro para participação no programa poderá ser o de renda. O programa, de acordo com o site do governo, busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional.

FÁBIO BRANDT, Estadão Conteúdo

14 de setembro de 2014 | 16h34

Dilma enfatizou que o governo vai conceder 15 mil bolsas este ano e atingir a sua meta. O projeto prevê a utilização de até 101 mil bolsas em quatro anos para promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior. Atualmente, Estados Unidos, Reino Unido e Canadá são os países mais procurados no Ciência Sem Fronteiras.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilmaCiência sem fronteira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.