Seguranças da Câmara agridem repórter do ''Estado''

Apesar de portar crachá de identificação, jornalista chegou a ser esganado

Brasília, O Estadao de S.Paulo

19 de dezembro de 2008 | 00h00

O repórter Sérgio Gobetti, do Estado, foi agredido na manhã de ontem por seguranças da Câmara, quando tentava entrar no plenário para acompanhar a votação do Orçamento de 2009. Apesar de levar o crachá de identificação no pescoço, um dos agentes foi truculento ao exigir que o repórter mostrasse a credencial que é emitida pela própria Câmara. Ouça relato do repórter sobre a agressão sofrida no Congresso Num golpe agressivo para imobilizar o jornalista, o agente Graciliano Ferreira Filho chegou a esganar Gobetti, apertando o pescoço do repórter com as duas mãos. O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), mandou afastar Graciliano do serviço de segurança enquanto durar a sindicância aberta para apurar a agressão.Outros dois seguranças encostaram o jornalista entre a parede e a porta de vidro que separa o plenário do Salão Verde e forçaram a exibição de um crachá que estava no peito desde que ele entrou no Congresso. Os seguranças foram contidos pelo deputado Chico Alencar (PSOL-RJ). Eles alegaram que o crachá não estava visível.Diante dos protestos do parlamentar e de jornalistas, os seguranças soltaram o repórter, mas ainda tentaram impedi-lo de entrar no plenário, mesmo depois de Gobetti mostrar que usava o crachá obrigatório.Chinaglia ligou para a sucursal do Estado e pediu desculpa ao jornal e ao repórter e informou da abertura da sindicância.Graciliano prestou esclarecimentos na Diretoria de Polícia Legislativa. "Vamos ouvir os seguranças envolvidos e apurar o que aconteceu", disse o diretor substituto, Mauri Rosa da Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.