Segurança fecha Cristo Redentor para visita de Obama

Cercado por um esquema de segurança rigoroso, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, encontrará um Cristo Redentor completamente isolado, sem turistas e funcionários, durante sua visita prevista para a manhã de domingo. Devido ao bloqueio do monumento, até equipes de limpeza e ascensoristas foram dispensados - o que obrigará a própria equipe do presidente a operar os elevadores que dão acesso ao pé da estátua.

AE, Agência Estado

18 de março de 2011 | 12h02

Homens responsáveis pela segurança do governo americano farão varreduras no entorno do monumento a partir das primeiras horas da madrugada de domingo. A estátua ficará isolada a partir de 0h, com o bloqueio das estradas de acesso.

A Arquidiocese do Rio, que administra o santuário do Cristo Redentor, passará o controle do espaço à equipe de Obama no fim da noite de sábado. Os seguranças terão liberdade para realizar o reconhecimento da área, varreduras e ações de patrulhamento antes da chegada da família do presidente.

Barack Obama, a primeira-dama Michelle e as filhas do casal, Sasha e Malia, devem chegar ao monumento na limusine da comitiva americana às 9h30. Apesar do rígido esquema de segurança, o presidente teria pedido para fazer uma visita "turística" à estátua, sem formalidades e protocolos de um evento oficial. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
ObamavisitaRioCristosegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.