Segurança em SP está 'descontrolada', diz Mercadante

O candidato do PT ao governo paulista, Aloizio Mercadante, criticou hoje, em sabatina realizada pelo Grupo Estado, a política de segurança pública em São Paulo. "O sistema está totalmente descontrolado", disse o petista, referindo-se às administrações tucanas no Estado, incluindo a de seu adversário nesta eleição, Geraldo Alckmin (PSDB). Ele também destacou que é preciso monitorar a saída temporária dos presos. "Todo mundo sabe que a segurança é um problema em São Paulo", disse.

AE, Agência Estado

19 de agosto de 2010 | 15h34

O candidato tentou também ligar sua trajetória à do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tem um dos maiores índices de popularidade na história do País - pesquisa Ibope divulgada na segunda-feira apontou que 78% dos eleitores consultados consideram o governo Lula ótimo ou bom.

"O que eu posso apresentar em São Paulo é o bom governo que fizemos no Brasil", disse. "Por que o Serra não mostra o Fernando Henrique (Cardoso) no programa dele? A comparação que eu posso fazer é em relação ao governo Lula com o governo FHC."

Para o petista, o Estado perdeu força na economia, ao contrário do que ocorreu com o País, sob a gestão de Lula. E destacou que, se for eleito, pretende criar um banco de fomento paulista, nos moldes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. "Um BNDESSP", revelou. Para o candidato, as administrações tucanas tiraram a capacidade de fomento do Estado com a venda do Banespa e da Nossa Caixa (que foi adquirida pelo Banco do Brasil).

"Se você olhar a história de São Paulo, a industrialização começou aqui. A redemocratização também. E é incontestável que perdemos força na economia", afirmou o petista, dizendo que as administrações do PSDB em São Paulo "erraram na guerra fiscal" e fizeram com que as indústrias se instalassem na divisa de outros Estados.

Pedágio e educação

Sobre os pedágios, Mercadante criticou os altos preços e prometeu rever os contratos, caso seja eleito. Outra crítica dele foi com relação à gestão tucana na área da educação. "Não dá para continuar com essa política da aprovação automática", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.