Segurança é preso por ameaças ao presidente da CPI dos Correios

O segurança Marcos André Ávila de Oliveira, de 28 anos, confessou nesta sexta-feira ser o autor da carta com ameaças de morte ao presidente da CPI dos Correios, senador Delcídio Amaral (PT-MS) e sua família. Ele prestava serviços de segurança privada à família do senador há um ano e teria forjado a ameaça para barganhar benefícios financeiros. Após depôr na superintendência da PF em Campo Grande, Marcos foi indiciado pelos crimes de injúria e ameaça contra um servidor público. A pena prevista para esse tipo de delito é de seis meses a um ano de detenção.A PF obteve a confissão do vigilante depois de ouvir depoimentos e cumprir mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal em Mato Grosso do Sul, no escritório da mulher dele e na residência do casal. No escritório, foi apreendido o computador onde os peritos federais encontraram o arquivo com a carta contendo as ameaças. Ele disse ter redigido a carta para causar temor à família e, com isso, alcançar maior valorização do seu trabalho. Ele descartou qualquer conotação política no seu gesto.No seu trecho mais explícito, a carta diz: "Estou de olho em você, na sua família e na sua equipe de segurança. Acho melhor ficar atento, pois não estou brincando. Fique esperto". O documento foi encaminhado à PF na última quarta-feira por um assessor de Delcídio e em menos de 48 horas o caso foi desvendado. A justiça federal de Mato Grosso do Sul avalia pedido de prisão temporária do segurança, por cinco dias, a fim de que sejam esclarecidas as últimas dúvidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.