Segurança barra até autoridades no evento

Falta de organização, autoridades barradas na porta, superlotação, trânsito parado. Este foi o resumo do primeiro dia do encontro dos prefeitos em Brasília. Já as 700 primeiras-damas que foram assistir à palestra de Marisa Letícia sobre combate à exploração sexual de crianças e adolescentes saíram decepcionadas: quem falou foi a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff."Nunca vi a primeira-dama de perto e acho importante ela envolver as mulheres dos prefeitos em um tema dessa natureza", disse Maria Ester Cristino, mulher do prefeito de Sobral (CE), Leônidas Cristino. As primeiras-damas esperaram pacientemente o fim do encontro do presidente Lula com seus maridos, assistindo de um telão à solenidade que se desenrolava em um salão contíguo. O mesmo ocorreu com os assessores de prefeitos e secretários municipais que ficaram de fora da festa, impedidos de ir até o salão onde estava Lula."Que confusão. Nunca vi isso", reclamou a prefeita de São Miguel do Taipu (PB), Marcilene da Costa, que se acotovelava na multidão em frente ao salão onde o presidente discursaria. Um dos "desconhecidos" que tentava entrar no encontro era o vice-presidente da Caixa Econômica Federal, Moreira Franco, um dos patrocinadores do evento. "Realmente foi difícil chegar aqui", admitiu Renildo Calheiros, recém-eleito prefeito de Olinda (PE).Mas não foram apenas os prefeitos que acabaram barrados pela rígida segurança presidencial. Os líderes do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS), e do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), só entraram depois que a comitiva do presidente passou. Faltou organização, mas não comida. O bufê contratado para o evento não deixou vazias as travessas com pãezinhos e enroladinhos de salsicha servidos com sucos e refrigerantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.