Segundo turno de Cuiabá começa com denúncias dos candidatos

Emanuel Pinheiro (PMDB) e Wilson Santos (PSDB) serão investigados por compra de votos

Fátima Lessa, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2016 | 10h44

Cuiabá - Depois de assistir a 45 dias de uma campanha eleitoral permeada de acusações pessoais e desconstrução dos adversários, os 415,1 mil eleitores de Cuiabá vão às urnas neste domingo para votar no segundo turno da eleição municipal. Estão na disputa os candidatos Emanuel Pinheiro (PMDB) e Wilson Santos (PSDB).

 

Na tarde do sábado, o candidato Wilson Santos (PSDB) foi denunciado pelo Ministério Público Eleitoral por compra de votos. A representação foi assinada pelo promotor de Justiça Vinícius Gaiva Martins. Segundo o MPE, a coligação cooptava lideranças em bairros, mediante pagamento de vantagem, para que eleitores participassem de reuniões.

Além dessa ação, pesa contra o candidato tucano o fato do seu irmão Elias Santos, ex-presidente da Metamat, ter sido flagrado coagindo servidores públicos a participarem de uma reunião com o candidato Wilson Santos (PSDB).

Já o candidato Emanuel Pinheiro (PMDB) foi denunciado pelo candidato tucano, na tarde do sábado, por compra de cerca de 50 mil votos, por 50 reais cada um, no primeiro turno. A denuncia foi protocolada no Ministério Público Eleitoral (MPE). 

Cuiabá tem 161 locais de votação da capital e cada um terá a presença de dois a três policiais militares. Segundo a secretaria de Estado de Segurança Pública Haverá rondas policiais em todos os bairros da capital e a Polícia Federal também vai atuar durante o pleito.

As duas últimas pesquisas, Ibope e Gazeta Dados, ambas registradas no TRE/MT, apontam para vitória  de  Emanuel.  Segundo o instituto Gazeta, Emanuel terá 58,54% dos votos válidos e Wilson Santos (PSDB) alcançará 41,46%. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MT 03694/2016. 

Segundo o Ibope, Emanuel conseguirá 61% e Wilson, 39%. A pesquisa eleitoral foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) sob o protocolo MT-02682/2016.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.