Segundo juristas, Legislativo abre mão das funções

Juristas e constitucionalistas divergem sobre a atuação da Justiça quando o Legislativo se omite. Uns demonstram preocupação com a politização da Justiça, outros avaliam que a judicialização da política é um caminho natural diante de um Congresso que refuga no debate da reforma política. "O Congresso tem abdicado de suas responsabilidades", afirma Fábio Wanderley Reis, cientista político, para quem existe uma excessiva judicialização da política. "Minha preocupação é que esta situação pode levar a uma politização da Justiça, ou seja, quando os próprios juízes se tornam parciais."Para o professor do Ibmec Carlos Melo, a decisão sobre a fidelidade "é boa e ajuda a moralizar a política". Mas alerta: "O meio pelo qual foi feito, via Judiciário, quando devia ser pelo Legislativo, não é ideal." Para ele, o Congresso não cumpre seu papel constitucional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.