Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Segundo Eunício, Temer afirmou que fará reforma ministerial ainda em 2017

Presidente do Senado disse, ainda, que apenas uma reforma da Previdência enxuta tem chances de seguir adiante

Carla Araújo, Eduardo Rodrigues e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2017 | 18h47

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que conversou na noite deste domingo, 12, com o presidente Michel Temer (PMDB), que disse que pretende fazer a reforma ministerial, para atender aliados, ainda este ano. O senador disse, ainda, que falou sobre a reforma da Previdência e o alertou que apenas uma reforma enxuta tem chances de seguir adiante. 

+++ 'O que dirige meu governo é o diálogo com o Congresso e a sociedade', diz Temer

"Reforma ministerial é uma reforma administrativa, só tem uma pessoa que pode fazer que o é presidente. Ele falou ontem (domingo) que pretende fazer essa, que depois conversaria comigo e com o presidente da Câmara (Rodrigo Maia), mas que não tem prazo e nem definição, e que seria este ano", disse. Ao ser questionado da garantia de que o presidente faria as mudanças ainda em 2017, Eunício reafirmou: "Ele falou para mim que quer fazer a reforma ainda este ano, mas não marcou a data comigo."

Nesta segunda-feira, 13, o ministro das Cidades Bruno Araújo pediu exoneração do cargo. Sua saída ocorre em meio à pressão do Centrão por um espaço maior no governo, com a retirada dos tucanos, e uma crise no PSDB.  

+++ Temer e Gilmar têm encontro não-oficial no Palácio do Jaburu

O presidente do Senado disse que na conversa alertou para dificuldades na reforma da Previdência. "Eu disse que sinceramente não aceitava neste momento que ela (a reforma) fosse discutir a questão da previdência do homem do campo, que mexesse nisso", afirmou, ressaltando: "O presidente me disse que ia preservar essa questão".

+++ Temer planeja reforma ministerial nas próximas semanas 

Segundo Eunício, ele avisou ao presidente também que, na sua avaliação, a reforma foi "mal vendida". "Precisamos fazer uma reforma enxuta, que tire os privilégios, preserve essa rede de proteção social que a previdência também faz e faça uma idade mínima", disse. "No meu entendimento essa seria a reforma que o Brasil precisa." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.