Secretários estaduais evitam comentar reforma tributária

Proposta do governo será encaminhada nesta quinta-feira ao Congresso Nacional

LU AIKO OTTA, Agencia Estado

27 de fevereiro de 2008 | 19h02

Os secretários estaduais de Fazenda receberam com desconfiança e evitaram comentar a proposta de reforma tributária do governo, cujas linhas gerais lhes foi apresentada nesta quarta-feira, 27,  pelo secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Bernard Appy. "Preciso analisar o texto", foi o comentário do secretário de São Paulo, Mauro Ricardo Costa. "A reforma é um avanço importante, mais vai exigir bastante diálogo", disse o secretário do Rio de Janeiro, Joaquim Levy. O secretário carioca afirmou que a proposta de manter uma alíquota interestadual de 2% quando estiver implantado o novo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) deve ser mais discutida. "É um primeiro passo", disse. "A discussão se dará no Congresso Nacional." O secretário da Paraíba, Milton Soares, lamentou que os secretários não tenham tido acesso ao texto do projeto de emenda constitucional que contém a reforma tributária. "Todos estamos muito cautelosos, porque não conhecemos a essência do projeto", afirmou. O secretário do Piauí, Antônio Neto, disse que os governadores do Nordeste deverão discutir a proposta e buscar um posicionamento conjunto na sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.