Secretário tucano de Kassab ataca presidente do PSDB

A ala do PSDB favorável a que o candidato à Prefeitura de São Paulo seja o prefeito Gilberto Kassab (DEM), não o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), reagiu ontem com acusações ao apelo feito pelo presidente municipal dos tucanos, José Henrique Reis Lobo, para que não haja disputa na convenção do partido, no dia 22. O secretário de Esportes do governo Kassab, o tucano Walter Feldman, acusa Lobo de tentar impedir o debate no partido e promover uma "festa amordaçada" na convenção. Na terça-feira, o presidente do PSDB mandou carta aos 1.200 delegados do partido na capital pedindo para que não assinassem manifesto feito por tucanos pró Kassab que propõe levar à votação no encontro partidário o apoio ao prefeito."Minha carta é uma resposta ao que considero uma agressão à visão democrática do PSDB. É um primor de autoritarismo", disse Feldman. No texto, ele chama os apoiadores de Alckmin de "cegos e surdos" e classifica a candidatura do ex-governador de "aventura". Também compara o processo de escolha do candidato tucano às prévias americanas do Partido Democrata para definir o postulante à Presidência dos Estados Unidos. "Foi uma coincidência melancólica que, no mesmo dia em que a democracia americana dava ao mundo um espetáculo inédito ao escolher seu primeiro candidato negro, nós militantes tenhamos recebido apelo para que escondamos as nossas diferenças", segue a carta.ConsensoLobo, um dos destinatários da carta de Feldman, fez o seguinte comentário: "Lá a disputa se dá entre dois nomes do mesmo partido, enquanto que aqui se pretende que ela se faça entre um candidato que é do partido e outro que não é. Qual a impressão que os democratas dos Estados Unidos estariam causando, se alguns dos seus estivessem brigando para levar à convenção um nome pertencente aos quadros do Partido Republicano?", provocou. É a primeira vez na história do partido em São Paulo que a convenção do PSDB será realizada sem um consenso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.