Secretário é suspeito em fraudes da Sudam

Investigações da Polícia Federal obrigaram, pela segunda vez, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, a demitir seu secretário-executivo. O "Diário Oficial da União" de sexta-feira publicou a exoneração de Benivaldo Alves de Azevedo e a nomeação de Simão Cirineu Dias como titular do cargo. Benivaldo assumiu a Secretaria-executiva em dezembro, com a demissão de Maurício Vasconcelos, envolvido em denúncias da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Azevedo havia atendido ao convite do ministro na condição de permanecer por no máximo três meses no governo, alegando problemas de saúde. Segundo declarações publicadas pela revista "Veja", Bezerra teria tomado a decisão de antecipar a saída de Azevedo, um amigo pessoal, ao ser informado do conteúdo de conversas grampeadas pela Polícia Federal. Nas fitas, Azevedo é citado como a pessoa no ministério que repassava informações à máfia acusada de desviar, até agora, R$ 360 milhões da Sudam.O ministro-chefe da Casa Civil, Pedro Parente, ressaltou que as irregularidades descobertas pela PF só foram desvendadas porque o próprio governo provocou as investigações. A escuta foi feita pela PF com autorização judicial. O ministro não tem informações oficiais sobre o grampo porque o processo de investigação de irregularidades na Sudam está sendo conduzido pela Secretaria de Controle Interno do Ministério da Fazenda, e a própria PF. "O governo está empenhado em apurar e identificar os culpados", assegurou Parente.O ministro Bezerra, disse hoje, por intermédio de sua assessoria, que irá se pronunciar publicamente sobre o fato na segunda-feira, depois de analisar o conteúdo da fita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.