Secretário do PT assume vaga de Genoíno na Câmara nesta quarta-feira

Candidato à presidência nacional do partido, Renato Simões pretende usar mandato para dar mais visibilidade às suas propostas e 'ajudar o partido a avançar dentro da Casa'

Mel Bleil Gallo, Especial para o Estado

08 de outubro de 2013 | 22h36

O atual secretário nacional de Movimentos Populares do PT, Renato Simões, assume nesta quarta-feira, 9, a vaga do deputado federal José Genoíno (PT/SP), afastado por licença médica desde agosto, quando sofreu uma isquemia cerebral. A cerimônia ocorre no mesmo dia em que Genoíno e outros constituintes serão homenageados na Câmara dos Deputados com a Medalha Assembleia Nacional Constituinte, pelos 25 anos da Constituição Federal.

Simões foi convocado após o suplente Hélcio Silva ter recusado o convite para assumir a vaga, a fim de permanecer na vice-prefeitura de Mauá. Com 63.796 votos válidos na última eleição, Renato Simões era o quarto suplente da bancada petista, que originalmente elegeu Carlinhos Almeida, atual prefeito de São José dos Campos, ao posto que foi em seguida ocupado por Genoíno.

Simões afirma que deseja manter o diálogo aberto com Genoíno, ajudando na tramitação de projetos de interesse do deputado. "Vou monitorar o legado que ele deixa na Câmara e, ao mesmo tempo, construir um mandato que responda aos eleitores e eleitoras que me deram seus votos nas eleições passadas, em São Paulo."

Na agenda própria de Genoino estão o combate à Proposta de Emenda Constitucional 215 - que transfere para o Legislativo a palavra final sobre a demarcação de novas terras indígenas - e a defesa pela aprovação do Projeto de Lei da Câmara 122, de 2006 - que criminaliza a homofobia -, além de temas relacionados a reforma política e direitos humanos em geral.

Simões deve permanecer no cargo até o vencimento da licença médica de seu antecessor, renovada por 120 dias. O período pode ser prorrogado, caso seja concedida a aposentadoria por invalidez solicitada por Genoíno. "Não tenho grandes expectativas de cumprir até o final, mas esse curto espaço de tempo tem que ser muito intenso para ajudar o PT a avançar dentro da Casa."

Militante do PT desde os anos 1980, Renato Simões é candidato a presidente nacional do partido nas eleições internas previstas para 10 de novembro. Ele acredita que o mandato deve ajudar na campanha, ampliando a visibilidade das suas posições.

Entre 1995 e 2007, ele foi deputado estadual em São Paulo e, nas eleições de 2012, atuou como coordenador da campanha de Márcio Pochmann à prefeitura de Campinas, que perdeu no segundo turno para Jonas Donizette, do PSB.

Tudo o que sabemos sobre:
GenoinoCâmaraSimões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.