Secretário de Ribeirão Preto inaugura comitê "pró-Farc"

Apesar de algumas baixas com a sua divulgação, o Comitê de Apoio à Libertação dos Povos da América Latina - que seria inicialmente apenas um comitê pró-Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) - será inaugurado hoje, às 20 horas, na Câmara de Ribeirão Preto, pelo secretário de Esportes do município, Leopoldo Paulino(PSB). A repercussão inicial sobre o órgão esvaziou o número de participantes de peso, mas Paulino acredita que isso poderá ser revertido. "Houve sensacionalismo barato e algumas pessoas se desorientaram com as informações", comentou ele.No folheto explicativo (convite) cita-se que o comitê não é um braço das Farc no Pais, mas de apoio ao povo colombiano e a outros. No folheto, distribuído por Paulino, um ex-guerrilheiro nos anos 60 e que se elegeu vereador cinco vezes seguidas desde 1982, o comitê é mencionado como "movimento social, suprapartidário e democrático" e que visa a "difusão da cultura e da história dos povos da América Latina", além de ser um "manifesto e resistência ao imperialismo norte-americano". Segundo o texto, a intenção é formar núcleos de estudo, atividades, palestras, seminários, conferências, oficinas e outros eventos culturais para divulgar o que ocorre nos países vizinhos. "E vamos encerrar a inauguração do comitê num bar que tem música latino-americana", disse Paulino.O secretário de Esportes, que deverá se afastar do cargo em abril para concorrer a deputado estadual nas eleições de outubro afirmou que convidará os vereadores e até o prefeito Antônio Palocci Filho (PT). O prefeito evita comentar o assunto, pois entende que a atitude de Paulino é pessoal, não política. O vereador Beto Cangussú (PT), que participou da primeira reunião da criação do comitê, disse nesta terça-feira que aguardará a formação, finalidade e configuração do órgão para analisar se participará. "Enquanto isso, não", diz Cangussú, que é contra algo quedivulgue as atividades das Farc. O vereador José Antônio Lages (PDT) também afastou-se, assim como dois advogados. A diretoria do comitê, que não tem sede, será definida hoje.Paulino disse que 90% dos e-mails que recebeu são favoráveis à criação do comitê e que muitas pessoas não entenderam a idéia inicial. Recebeu um telefonema ameaçador, mas ignorou ao descobrir quem era o autor da ligação. Apesar de ampliar o leque de difusão de cultura de outros países o folheto sobre o comitê menciona que o "primeiro tema a ser estudado e debatido será as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)", que existe há quase 40 anos e que, segundo o texto, "sofrem uma campanha difamatória, organizada pelos EUA, que os taxam de terroristas e narcotraficantes". E acrescenta: "Vale lembrar que luta semelhante ocorreu no Brasil na época daditadura militar. Os guerrilheiros torturados, desaparecidos e seqüestrados de ontem, nos garantem a liberdade de expressão de hoje."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.