Secretário de Meio Ambiente do DF se demite

O secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal, JorgePinheiro, pediu demissão do cargo reclamando perda de prestígio nogoverno. No último dia 1º, ele criticou a demolição de casasconstruídas numa área de manancial na periferia da cidade porfuncionários do SIV-Água, um órgão do governo de Brasília. O governadorJoaquim Roriz (PMDB) interveio e afirmou que a ação do SIV-Água eralegal. Ao sair do cargo, Jorge Pinheiro disse que o governo não agiacom o mesmo rigor com os invasores milionários das margens do LagoParanoá, outra área de preservação ocupada irregularmente. Nesta segunda-feira, o porta-voz do governo do Distrito Federal, Paulo Fona, voltoua afirmar que Roriz vai cumprir a promessa de demolir as construçõesirregulares do Lago. Fona rebateu declarações de Pinheiro contra ogovernador e disse que os invasores do lago não ficarão "impunes" eserão tratados como os da Colônia Agrícola Águas Claras, local onde oSIV-Água derrubou casas e muros. "O governador mantém a decisão dedesobstruir as áreas ocupadas irregularmente, independentemente dasaída do secretário Jorge Pinheiro", disse Fona. O porta-voz ressaltou,no entanto, que é preciso respeitar todas as etapas de derrubada deconstruções em área pública. Mesmo a retirada das cercas, salientouFona, deve ser feita depois que o invasor receber um comunicadooficial.O porta-voz argumentou que os invasores da Colônia Agrícola ÁguasClaras não eram pessoas de baixa renda, como destacou Jorge Pinheiro.Fona salientou que, no caso de Águas Claras, os moradores foramnotificados 14 meses antes da demolição de muros e residências e queessa área foi ocupada recentemente. "A situação em Águas Claras é muitodiferente do que ocorre no lago", disse Fona. "As margens do Paranoáforam ocupadas desde o início de construção da cidade, bem antes daatual legislação ambiental."Paulo Fona afirmou que o governo do Distrito Federal está aplicandomultas e notificando os invasores do Paranoá. Roriz vai esperar osinvasores apresentarem documentos e projetos de recuperação da áreadegradada antes de realizar qualquer operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.