Gustavo Raniere/Ministério da Economia
Gustavo Raniere/Ministério da Economia

Secretário da equipe de Paulo Guedes deixa o governo

Em texto de despedida, Alexandre Manoel diz que vai buscar novos horizontes após quase quatro anos de atuação no Ministério da Economia

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2020 | 18h53
Atualizado 27 de fevereiro de 2020 | 20h14

BRASÍLIA - O secretário de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria, Alexandre Manoel, comunicou hoje que está saindo do Ministério da Economia. Remanescente da equipe econômica do governo Michel Temer, Alexandre Manoel era responsável pela área que faz avaliação dos programas de governo e da eficácia econômica dos benefícios tributários. Uma das principais funções da Secretaria é propor o corte dessas renúncias tributárias, que consomem espaço no Orçamento brasileiro.

Um programa foi apresentado ao Congresso, mas permanece em sigilo. O envio das medidas era uma exigência da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019. A proposta é reduzir gastos com benefícios tributários de 4,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2% do PIB nos próximos dez anos.

Em carta de despedida ao qual o Estadão/Broadcast teve acesso, Alexandre Manoel diz que vai buscar novos horizontes após quase quatro anos de atuação no Ministério da Economia. O secretário entrará num período de quarentena antes de assumir nova função. Alexandre Manoel é funcionário de carreira do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA).

"Foi realmente um privilégio ter tido a oportunidade de contribuir para as transformações que o Brasil precisa para voltar a crescer", afirma no documento. Para ele, os esforços realizados se transformarão em aumento de produtividade e de crescimento. A saída de Manoel já era esperada desde o início do ano, quando havia manifestado intenção de deixar o cargo ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

Novas mudanças na equipe poderão ocorrer, segundo apurou a reportagem. No ano passado, o Estadão/Broadcast informou que o ministro Paulo Guedes iria promover uma troca de cadeiras após uma avaliação do primeiro ano de governo e desempenho da equipe.

Veja a seguir a carta de saída do secretário Alexandre Manoel:

"Novos Horizontes

Após quase quatro anos, encerro o ciclo profissional no Ministério da Economia/Fazenda, a partir do dia 2 de março, quando começa o período de seis meses de quarentena, para então poder buscar novos horizontes e novos desafios.

Ao longo desse período no Ministério, houve muito trabalho duro e aprendizado, principalmente no convívio com pessoas tão qualificadas e brilhantes como os Ministros Paulo Guedes e Eduardo Guardia, os secretários Salim Mattar, Ana Paula Vescovi, Waldery Rodrigues e Mansueto Almeida, e toda equipe deste e do governo anterior, cuja formação acadêmica e experiência profissional são referências tanto para o setor público quanto para a iniciativa privada. Foi realmente um privilégio ter tido a oportunidade de contribuir para as transformações que o Brasil precisa para voltar a crescer e é com enorme alegria que olho no retrovisor e vejo muitas realizações nas mais diversas áreas em que atuei.

Nesse sentido, gostaria de agradecer também aos Presidentes Temer e Bolsonaro, fundamentais e essenciais para o avanço das reformas empreendidas nos últimos anos. Tenho convicção de que os esforços realizados se transformarão em aumento de produtividade e de crescimento.

Deixo também um grupo de colaboradores do qual tive orgulho de pertencer. Sem eles nada do que realizei, participei ou contribui teria sido possível.

Enfim, saio com sentimento de muita gratidão pelas oportunidades que tive, de missão cumprida e de coração aberto, por sempre ter dado passos firmes na direção correta, em todas as áreas em que atuei e contribui. - Alexandre Manoel"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.