Secretário de Araripina-PE é preso em flagrante

O secretário de Saúde de Araripina (PE), Zenilton Carlos Cardoso, foi preso ontem em flagrante, por crime contra a saúde pública. Farmacêutico, ele era o técnico responsável pela fábrica clandestina de medicamentos fitoterápicos Sana Erva, que foi interditada pela Operação Morfeu, realizada pela Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa) com apoio da Polícia Civil.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

24 de fevereiro de 2011 | 16h14

Segundo o presidente da Apevisa, Jaime Brito, a situação da fábrica era "degradante" no aspecto da higiene. De acordo com a delegada da regional de Araripina, Katiana Muniz, "no mesmo espaço onde eram fabricados 56 diferentes produtos, havia ratos, baratas e água contaminada".

Hipertenso, o secretário de Saúde não havia sido encaminhado à prisão local até a tarde de hoje. Ele permanecia, sob a custódia da polícia, no hospital da cidade. A Operação Morfeu foi deflagrada inicialmente para investigar a venda irregular do medicamento "Desobesi M", um moderador de apetite utilizado para retardar o sono.

Levantamento da Apevisa indicou que mais de 90% do total do medicamento comercializado em dois meses em todo o Estado se concentrava em quatro farmácias de Serra Talhada, no sertão, sem registro no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC).

O medicamento foi encontrado em apenas uma das farmácias rastreadas de Serra Talhada, mas a operação se estendeu por outros cinco municípios pernambucanos - Araripina, Cabrobó, Belém do São Francisco, Floresta e Lajedo - onde foram detectadas outras irregularidades, como a venda de remédios proibidos pelo Ministério da Saúde.

Como consequência da operação, 10 pessoas foram detidas - por tráfico de entorpecente ou por crime contra a saúde pública - e cerca de 12 mil unidades de medicamentos foram apreendidos. Dezessete farmácias foram interditadas, além da fabrica Sana Erva.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeprisãosecretárioAraripina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.