Secretarias devem justificar alta dos gastos com passagens, diz Alckmin

Governador de São Paulo estipulou prazo até o fim desta tarde para pastas apresentarem explicações para aumento, revelado pelo 'Estado'

Gustavo Uribe, da Agência Estado

09 de março de 2011 | 14h54

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), informou que estabeleceu prazo até o fim da tarde desta quarta-feira, 8, para que as secretarias estaduais apresentem justificativa sobre o aumento de despesas com passagens e locomoção no primeiro bimestre de 2011. Levantamento divulgado na segunda-feira, 7, pelo jornal O Estado de S. Paulo apontou um aumento de 16,2% nas despesas, na comparação com os dois primeiros meses de 2010.

De acordo com dados do Tesouro Estadual, o governo de São Paulo desembolsou neste ano R$ 26,7 milhões em valores liquidados com passagens, um incremento de R$ 3,8 milhões em comparação com o primeiro bimestre do ano passado, que foi de R$ 22,9 milhões. "Onde aumentou, tem até o fim da tarde para as secretarias apresentarem suas justificativas", disse Alckmin, após evento no qual entregou 189 viaturas para o Corpo de Bombeiros, em comemoração ao 131º aniversário da corporação.

Alckmin afirmou que, em algumas pastas, como a de Educação, houve um acréscimo do gasto social, e não de transporte. "Na Secretaria da Educação, o gasto que aumentou foi o de transporte de crianças com deficiência. Então, não tem como dizer que houve (elevação dos) gastos de transporte, mas houve aumento de gasto social". Ele ressaltou ainda que não compete ao governo do Estado a ampliação dos gastos de instituições como o Ministério Público (MP), Tribunal de Justiça (TJ) e Defensoria Pública.

Metrô. O governador de São Paulo afirmou também que, "provavelmente", nos próximos dez dias será definida a questão da concorrência pública da Linha 5-Lilás da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), cujo início das obras foi adiado por causa de suspeitas de fraude. Alckmin disse que nesta quinta-feira, 10, será assinado o contrato para o início das obras dos trechos Sul e Leste do Rodoanel Mario Covas. "A boa notícia é que quem ganhou a concorrência ofereceu a menor tarifa de pedágio", disse. "E o desconto foi de 63%", comemorou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.