Secretaria vai intervir no Módulo 1 do PAS

O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Eduardo Jorge, anunciou às 16h30 desta sexta-feira a intervenção da Secretaria no Módulo 1 do Plano de Atendimento de Saúde (PAS) da capital, depois que o empresário, cujo nome é mantido em sigilo, denunciou formalmente à ouvidoria da Prefeitura, na manhã desta sexta-feira, um esquema de extorsão montado por funcionários dentro do Módulo. O secretário afirmou ainda que a intervenção foi decidida depois que auditorias nas dívidas do módulo revelaram cifras que apontam "pelo menos, incapacidade de gerenciamento dos recursos públicos". O Módulo 1, também chamado Módulo Central, é responsável pelos hospitais e unidades de atendimento existentes na área delimitada por Sapopemba, Butantã, Jabaquara, Jardim Iva e Osasco. "É um dos menores módulos da capital e, no entanto, apresenta dívidas totalmente desproporcionais e irregularidades fiscais graves, inclusive com a Receita Federal", afirmou o secretário. Na denúncia do empresário que está sob investigação da ouvidoria,consta que funcionários do Módulo 1 exigiam propinas para repassar o dinheiro liberado pela Prefeitura para o pagamento de fornecedores. "O empresário em questão não aceitou o jogo, por isso sua empresa está à beira da falência e ele e sua família ameaçados de morte", revelou o ouvidor da Prefeitura, Benedito Mariano. De acordo com Mariano, outros três empresários já encaminharam denúncias semelhantes. "Mas as ameaças de morte são sérias, e eles ainda estão com medo de formalizar suas denuncias", afirmou o ouvidor. Já estão afastados do Módulo 1 o presidente da unidade, Osires Dell´Acqua, e o administrador-geral, Sidney Caetano Ordelino. A equipe de intervenção poderá afastar outros funcionários da chefia do módulo nos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.