Secretaria quer saber como seqüestrador escapou

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo vai iniciar hoje averiguações para descobrir o que realmente aconteceu na operação de ontem à noite, quando dois investigadores do 99º Distrito Policial morreram e dois ficaram feridos enquanto tentavam capturar Fernando Dutra Pinto, o seqüestrador da filha de Silvio Santos. A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança informou que as averiguações deveriam ter sido iniciadas hoje cedo, mas foram suspensas depois que o seqüestrador em fuga invadiu a casa do apresentador, onde se entregou depois de horas de impasse. Policiais que trabalharam na segurança e nos cordões de isolamento, mantidos nas redondezas da casa do apresentador durante toda a manhã de hoje, não esconderam a perplexidade com o que alguns chamaram de "precipitação" da operação policial de ontem. "Pelo menos um dos dois investigadores mortos era um policial experiente, com 25 anos na polícia, e se as versões estiverem certas, cometeu erros primários que não poderia ter cometido", avaliou um policial. Para os policiais, são as seguintes as dúvidas que precisam ser esclarecidas: em que momento o 99º DP pediu reforços, depois que foi informado da suspeita de que o hóspede do flat poderia ser o seqüestrador, um homem perigoso; por que os policiais abordaram Dutra dentro do flat, antes da chegada dos reforços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.