Seca faz Jungmann transferir gabinete para o Recife

Novo coordenador das ações de combate à seca, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, vai transferir seu gabinete neste domingo para a sede da extinta Sudene, no Recife. A estiagem já afeta 589 municípios de oito Estados (sete do Nordeste e Minas Gerais), dos quais 332 se encontram em estado de calamidade pública. Apenas a Bahia e o Maranhão estão fora do quadro da seca.Minas Gerais decretou estado de calamidade pública na totalidade dos 140 municípios atingidos. O Piauí tem 30 municípios nessa situação (de um total de 79 atingidos); o Rio Grande do Norte decretou calamidade pública em 58 dos 104 afetados; a Paraíba em 39 dos 92; o Ceará em 45 dos 68; e Sergipe em 10 dos 25. Pernambuco e Alagoas têm respectivamente 56 e 25 municípios enfrentando a estiagem, nenhum deles em estado de calamidade.O ministro ainda não tem o levantamento das perdas agrícolas e do número de famílias afetadas no semi-árido. Em Pernambuco, de acordo com a Secretaria de Agricultura, os reservatórios estão com 30% da sua capacidade e 98% da agricultura de sequeiro (mandioca, feijão, milho, algodão) foi perdida.O ministro antecipou que não vai poder fugir do emergencial - cesta básica e carros-pipa - no atendimento imediato às famílias atingidas pela estiagem, mas quer aproveitar o momento para romper o modelo clientelista que sempre envolveu a seca e fazer uma política de educação e renda.A forma de ação - que deverá priorizar a alfabetização e capacitação do trabalhador - será, garante o ministro, amplamente discutida com todos os setores da sociedade. A discussão começa no domingo, quando ele se reúne com representantes de órgãos federais, igrejas e universidades. Na segunda-feira, será a vez dos coordenadores de bancadas federais no Congresso e movimentos sociais. Na quarta-feira, ele se encontra com os governadores da região atingida pela seca e lideranças empresariais.Jungmann pretende liberar o mais rápido possível dois lotes de 50 mil cestas básicas cada, para impedir que a situação social se agrave mais, enquanto ganha um pouco de tempo para elaborar o programa emergencial que deve ser concluído em cerca de 20 dias.O presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape), Antônio Marques, informou que os trabalhadores irão realizar duas grandes mobilizações no dia 5 de junho - no Recife e em Petrolina, no sertão - exigindo ações estruturadoras na região semi-árida e reivindicando anistia para os débitos dos pequenos agricultores. O ministro adiantou que a anistia não é possível, de acordo com o Manual de Crédito Rural, mas garantiu que as dívidas podem ser prorrogadas ou suspensas por um período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.