Se partido não for aprovado até março, Bolsonaro fica 'fora' da eleição municipal

Presidente diz aguardar decisão do TSE sobre coleta eletrônica de assinaturas

Mateus Vargas - O Estado de S.Paulo

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira, 21, que não "entra" na eleição para prefeito e vereadores em 2020, caso a criação do partido Aliança Pelo Brasil não seja aprovada até março. "Se for possível a (coleta de assinaturas para criação da legenda) eletrônica, a gente forma um partido para março. Se não for possível, eu não vou entrar em disputas municipais no ano que vem, estou fora."

Crítico do voto eletrônico, Bolsonaro questionou: "Estamos aguardando decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) se pode a coleta de assinatura eletrônica. O voto pode, assinatura não pode? De acordo com a decisão, a gente vai saber se forma para março ou para o final do ano que vem", afirmou o presidente.

Presidente Jair Bolsonaro durante encontro do Brics, em Brasília Foto: André Coelho/ EFE

Em parecer enviado na terça-feira, 19, ao TSE, o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques, se manifestou contra a coleta de assinaturas digitais para a criação de partidos. Para Jacques, todo o esforço na Justiça Eleitoral é “devotado ao tratamento dos documentos em papel”.

Sem ministros

Continua após a publicidade

Bolsonaro disse que nenhum ministro de seu governo entrará no novo partido. "Nós não vamos ter a participação do governo na criação do partido. Para evitar a interpretação equivocada de que eu estou usando a máquina pública para formar o partido. Zero."

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, é membro do PSL, sigla com a qual  Bolsonaro rompeu para criar um partido próprio.

O presidente deve participar de convenção do Aliança Pelo Brasil nesta quinta, quando será apresentado o estatuto da sigla. "A gente vai cumprir realmente o que está no estatuto, respeitar a legislação. O partido tem que estar, no meu entender, voltado para as suas atribuições legais. É fiscalizar Executivo, apresentar projetos, legislar", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Se partido não for aprovado até março, Bolsonaro fica 'fora' da eleição municipal

Presidente diz aguardar decisão do TSE sobre coleta eletrônica de assinaturas

Mateus Vargas - O Estado de S.Paulo

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira, 21, que não "entra" na eleição para prefeito e vereadores em 2020, caso a criação do partido Aliança Pelo Brasil não seja aprovada até março. "Se for possível a (coleta de assinaturas para criação da legenda) eletrônica, a gente forma um partido para março. Se não for possível, eu não vou entrar em disputas municipais no ano que vem, estou fora."

Crítico do voto eletrônico, Bolsonaro questionou: "Estamos aguardando decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) se pode a coleta de assinatura eletrônica. O voto pode, assinatura não pode? De acordo com a decisão, a gente vai saber se forma para março ou para o final do ano que vem", afirmou o presidente.

Presidente Jair Bolsonaro durante encontro do Brics, em Brasília Foto: André Coelho/ EFE

Em parecer enviado na terça-feira, 19, ao TSE, o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques, se manifestou contra a coleta de assinaturas digitais para a criação de partidos. Para Jacques, todo o esforço na Justiça Eleitoral é “devotado ao tratamento dos documentos em papel”.

Sem ministros

Continua após a publicidade

Bolsonaro disse que nenhum ministro de seu governo entrará no novo partido. "Nós não vamos ter a participação do governo na criação do partido. Para evitar a interpretação equivocada de que eu estou usando a máquina pública para formar o partido. Zero."

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, é membro do PSL, sigla com a qual  Bolsonaro rompeu para criar um partido próprio.

O presidente deve participar de convenção do Aliança Pelo Brasil nesta quinta, quando será apresentado o estatuto da sigla. "A gente vai cumprir realmente o que está no estatuto, respeitar a legislação. O partido tem que estar, no meu entender, voltado para as suas atribuições legais. É fiscalizar Executivo, apresentar projetos, legislar", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.