Fabio Motta|Estadão
Fabio Motta|Estadão

Se Odebrecht agiu por 'via escusa', precisa ser punida, diz Jaques Wagner

Chefe do Gabinete Pessoal da Presidência ainda contou ter medo de as empresas brasileiras terem sua estrutura prejudicada e perderem mercado para concorrentes estrangeiras

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2016 | 16h21

RIO – O chefe do Gabinete Pessoal da Presidência, Jaques Wagner, afirmou nesta quarta-feira, 23, que as companhias e os empresários que cometeram erros devem ser punidos, mas precisam ter sua estrutura econômica preservada. “Do ponto de vista de sua produção tecnológica, sem dúvida (a Odebrecht) é muito reconhecida. Agora, se tudo isso foi criado por uma via escusa, acho que tem que punir”, disse. “Não sou ingênuo a ponto de destruir empresas brasileiras para que as de outros países venham fazer (seu trabalho).”

A entrevista foi concedida no dia seguinte à decisão da construtora de fazer delação premiada. Antes, porém, do vazamento de uma relação de 200 políticos e 18 partidos, supostamente associada a pagamentos da empreiteira. O nome de Wagner estaria entre eles.

Os documentos foram encontrados com um dos executivos à frente do esquema de propinas denunciado na Odebrecht. Não há, porém, nenhum indicativo de que os pagamentos sejam irregulares ou fruto de caixa 2. “Eu estou à vontade porque, apesar de ser baiana, a empresa (Odebrecht) não faturou nada em oito anos do meu governo. Não ganhou o metrô, a via expressa, nada”, disse.

PMDB. Segundo Wagner, são rumores as articulações do PMDB para anunciar um desembarque do governo na próxima terça-feira, 29, em reunião do partido. Na análise do ministro há uma decisão muito mais relevante que a do diretório do partido do vice-presidente Michel Temer, que é a decisão da Câmara sobre o processo de impeachment, prevista para até 15 de abril.

“Acho no mínimo intempestivo. Não acredito que tenha ninguém tão nervoso para desembarcar e nem que consiga desembarcar em 12 dias”, disse em entrevista coletiva à mída estrangeira, na manhã desta quarta, no Rio.

Wagner afirmou que os ministros do PMDB no governo Dilma Rousseff garantem que vão continuar atuando contra o impeachment. “Quando eu digo que não há desembarque é porque hoje consideraria que o PMDB está rachado. Na minha opinião não muda”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.