'Se o juiz Moro ou MP quisesse me ouvir, era só ter mandado um ofício', diz Lula

Ex-presidente Lula critica ação da Polícia Federal em pronunciamento a militantes na sede do PT

Gabriela Caesar, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2016 | 14h44

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse a militantes, na sede do PT em São Paulo, que bastaria ao juiz Sérgio Moro "mandar um ofício" para ouvi-lo sobre as investigações da Operação Lava Jato. "Se você não sabe, dia 5 de janeiro eu estava de férias. Eu suspendi as férias para ir a Brasília para prestar um depoimento a convite da Polícia Federal, portanto se o juiz Moro ou o MP quisesse me ouvir, era só ter mandado um ofício porque eu iria como sempre fui prestar esclarecimento. Porque não devo e não temo", afirmou Lula, sob aplausos de seus apoiadores.

Para o ex-presidente, a força-tarefa da Lava Jato teria promovido "pirotecnia" ao pedir e obter autorização para levá-lo a depor no Aeroporto de Congonhas. "Lamentavelmente, acho que estamos vivendo uma processo que a pirotecnia vale mais do que qualquer coisa. O que vale mais é o show midiático do que a apuração séria, responsável que deve ser feita pela Justiça, pela polícia, pelo MP, com contribuições que eu não só valorizei, mas como valorizei muito quando era presidente da República. Nunca investiram tanto nessas coisas como eu, que investi nas instituições", disse Lula. "Eu vim ao mundo para viver em adversidades. Eu nunca na minha vida tive nada fácil. Foi tudo muito difícil. E eu agora que pensava que, aos 70 anos, poderia me aposentar e apenas ser cabo eleitoral."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.