Divulgação/PSDB
Divulgação/PSDB

'Se manifestação for fraca, Dilma ganhará segundo balão de oxigênio', diz líder da oposição

Para o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), o tamanho e o alcance das manifestações deste domingo são fatores determinantes para definir sobre os próximos movimentos no tabuleiro da crise política

Pedro Venceslau e Ricardo Chapola, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2015 | 10h23

SÃO PAULO - Para os partidos de oposição à presidente Dilma Rousseff, o tamanho e o alcance das manifestações deste domingo, 16, são vistos como fatores determinantes para a definição sobre os próximos movimentos no tabuleiro da crise política. "Se a manifestação de domingo for mais fraca que as anteriores, Dilma ganhará o segundo balão de oxigênio. O primeiro foi o Renan Calheiros", disse o deputado  federal, Bruno Araújo, líder da minoria da Câmara (PSDB-PE).

Principal partido de oposição a Dilma, o PSDB espera que as manifestações tenham mais volume que as realizadas em março e abril para que não se dilua a pressão sobre o Palácio do Planalto. Com isso em vista, a legenda usou  a máquina partidária para promover os atos.Na semana passada, o partido usou seu programa de TV para divulgar as manifestações de hoje. Os protestos também terão adesão de outras legendas, como PPS, DEM e Solidariedade.

Apesar do ineditismo da iniciativa de promover as manifestações, os tucanos vetaram bandeiras, faixas e adereços da sigla e orientaram seus militantes a não irem para a rua uniformizados, assim como também  fizeram nos atos anteriores dos quais participaram. "Essa é uma questão delicada. O movimento não quer ficar à reboque do partido", afirma o senador Aloysio Nunes Ferreira (SP).

Depois de participar das duas últimas manifestações em São Paulo, dessa vez ele optou por  ir para a rua em Brasília. O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, não confirmou se vai participar dos protestos, mas  sinalizou que pode comparecer aos atos em Brasília, ou em Belo Horizonte (MG).

O único partido que participará de forma institucional e uniformizada das manifestações no domingo será o Solidariedade, que levará dois carros de som para a Avenida Paulista. A legenda também distribuirá adesivos e panfletos pedindo o "Fora Dilma".

"Nós temos que continuar  batendo no impeachment. Não tem outra saída. Eu particularmente não  acredito mais que tem solução para o Brasil com a Dilma. Para você ter  um novo ânimo no Brasil você precisa ter um novo governo. Com a Dilma não dá mais", afirmou o presidente do Solidariedade, o deputado federal Paulinho da Força.

Existem hoje 8 pedidos de impeachment de Dilma na Câmara, aguardando a decisão do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB). Se ele der sinal verde, as propostas começarão a tramitar e abrirão uma nova frente de desgaste para o Palácio de Planalto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.