Se Justiça decidir, haverá intervenção no DF, diz Lula

Em entrevista às rádios, presidente disse que caso está 'nas mãos da Justiça' e que vai esperar uma decisão

Tânia Monteiro, da Agência Estado,

12 de fevereiro de 2010 | 11h31

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, 12, em entrevista a duas rádios de Goiânia, que se a Justiça decidir pela intervenção no governo do Distrito Federal, ela vai haver. "Se não houver nenhuma acusação contra o vice, é de direito que ele possa assumir o governo. Está na mão da Justiça. O presidente apenas espera que haja uma decisão", acrescentou.

Veja também:

link OAB-DF vai pedir novo impeachment de Paulo Octavio

link Juiz que mandou prender Arruda diz ter 'consciência tranquila'

blog  Blog do Bosco: Arruda se licencia para evitar intervenção

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

Lembrado que a Procuradoria Geral da República já pediu a intervenção, Lula disse que quando o Poder Judiciário se manifestar por uma intervenção, o governo federal não terá dúvidas de colocar alguém para governar Brasília. "Mas agora não dá para adiantar nada", disse Lula.

Diante da insistência das perguntas sobre o tema, ele acrescentou que qualquer brasileiro pode dar palpites, menos ele, que é presidente. "Tem um vice que acaba de ser empossado. Se alguém acha que o vice não pode tomar posse, essa pessoa deve entrar com uma ação no Poder Judiciário, e o Judiciário vai decidir", afirmou.

Lula disse ainda que não ficou chocado com a prisão do governador José Roberto Arruda. "Eu fico chocado quando vejo uma denúncia de corrupção neste país. Fiquei chocado com o filme do Arruda recebendo dinheiro. É uma coisa absurda imaginar que, em pleno século 21, ainda vemos isso no Brasil", afirmou.

Sobre a ação, o presidente disse que o que a Polícia Federal fez foi aceitar o pedido do próprio Arruda de se entregar, sem precisar sair de casa algemado e sem pirotecnia. Para o presidente, foi uma atitude correta de Arruda ir se apresentar à polícia. "Eu espero que o que aconteceu sirva de exemplo para que não aconteça mais", acrescentou. O presidente lembrou que encaminhou ao Congresso Nacional um projeto para que a lei seja mais dura com o corrupto e com o corruptor.

 

Apoio à intervenção

 

Por  sua vez, a Comissão executiva do PSB no Distrito Federal terminou há pouco uma reunião em que decidiu que apoiará uma intervenção federal no Distrito Federal se ela for aprovada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

O pedido de intervenção federal no DF foi apresentado ontem ao STF pelo procurador-Geral da República, Roberto Gurgel. O presidente do PSB local, deputado Rodrigo Rollemberg, disse que o apoio à intervenção se dá porque "tanto o executivo como o legislativo locais estão completamente contaminados e que é preciso virar essa página para que Brasília possa voltar a normalidade".

 

O PSB defende um perfil de interventor "íntegro, democrático e apartidário, que possa comandar o governo na transição até as eleições", garantindo lisura no processo sucessório.

 

Com informações de Christiane Samarco

 

Atualizado às 13:05

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoDFArrudaintervençãoLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.