"Se Garotinho sair do PSB, eu saio junto", diz Rosinha

A governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Matheus, reafirmou neste sábado a disposição de deixar o PSB caso o marido e secretário de Segurança Pública do Estado, Anthony Garotinho, seja expulso da legenda. Insatisfeita com as constantes críticas de Garotinho ao governo federal, a executiva nacional do PSB deverá se reunir durante a semana para decidir o destino do ex-governador. "Eu espero ficar no PSB. Caso o Garotinho saia, eu saio junto com ele", disse a governadora, que participou de um evento evangélico em Belo Horizonte.Ao comentar se a ameaça de expulsão era uma idéia predominante no partido, a governadora questionou o "peso político" dos que defendem a saída de Garotinho. "Não sei se são maioria e nem sei que peso político têm dentro do partido", afirmou. "Existe uma parte do PSB que pensa diferente e as pessoas têm o direito de pensar diferente só não tem o direito de pedir que o Garotinho rasgue um programa de governo que não foi escrito só por eles". Rosinha também criticou ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O governo federal tem tido uma posição contrária do que foi defendido durante a campanha eleitoral", disse, citando a proposta de taxação dos inativos e a política monetária. Para ele, o programa Fome Zero, carro-chefe da política social do governo Lula, "está anunciado, mas até agora não aconteceu nada". Ela disse que torce pelo presidente, mas disse que Lula deveria reler o plano de governo, "porque faz muito pouco tempo para alguém ter esquecido".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.