´Se errei, pagarei; se erraram, devem pagar´, diz Silvinho

O ex-secretário do PT Sílvio Pereira afirmou na CPI dos Bingos, nesta quarta-feira, que não operava com dinheiro no partido. Repetiu várias vezes a afirmação e disse, em determinado momento: "Estamos sendo todos julgados e se eu errei, pagarei por isso; se erraram, também devem pagar por isso".Ele não quis apontar culpados no episódio do mensalão. Lembrou, por outro lado, que nunca disse ser um "joão-ninguém" no PT. "Eu tinha um papel importante e tinha orgulho desse papel. Eu gostava do que fazia", observou.Dirigindo-se à senadora Ana Júlia (PT-PA), afirmou que ela foi testemunha de que na campanha municipal de 2004 não tratou com ela de dinheiro."A única coisa que interferi foi para a direção nacional liberar bandeirinhas para a campanha dela" (Ana Júlia foi candidata a prefeita em Belém). Ele citou outros candidatos, como Jorge Bittar e Raul Ponte, que estavam sem dinheiro na campanha de 2004, lembrando que ele não interferiu.Ressentimentos e famíliaSilvinho admitiu que tem ressentimentos, não com as pessoas, mas com toda a história."Eu não consigo mais ficar fazendo afirmações que podem ser injustas com as pessoas. Não quero arrastar ninguém para uma coisa que eu não tenho mais tanta convicção", afirmou, ao responder à senadora Heloísa Helena, que queria que ele apontasse quem realmente tinha responsabilidade sobre todo o episódio.Pereira disse que está sendo sustentado financeiramente pela sua família e que não sabe ainda como vai resolver o pagamento de seu advogado, Arnaldo Malheiros. Segundo ele, "até agora, quem pagava o advogado era o PT".Respondendo a questionamento do senador Demósthenes Torres, Silvinho disse não ter falado com o chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gilberto Carvalho, na manhã desta quarta-feira. "O senhor não falou com nenhum senador que tinha conversado com Gilberto Carvalho hoje de manhã?", insistiu Torres.Com um tom de voz pela primeira vez mais elevado, Pereira negou, dizendo que não fala com Carvalho há muitos meses: "Estou falando a verdade e desafio alguém a provar que estou mentindo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.