ANDRE DUSEK | ESTADÃO
ANDRE DUSEK | ESTADÃO

Se Dilma for deposta por impeachment, Temer será o próximo a cair, diz líder do governo no Senado

Humberto Costa (PT-PE) quer que principais lideranças do PMDB tenham 'responsabilidade' e 'equilíbrio' necessários na reunião desta terça-feira

Ricardo Brito, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2016 | 18h41

Brasília – Um dia antes da convenção do PMDB que decidirá pelo desembarque do partido do Executivo Federal, o líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), fez na tarde desta segunda-feira, 28, um duro discurso da tribuna da Casa endereçado ao vice-presidente Michel Temer e avisou que, se a presidente Dilma Rousseff for deposta pelo impeachment “golpista”, ele será “seguramente” o próximo a cair. O petista avisou que não haverá trégua a esse movimento golpista nem antes, nem depois, caso ele venha “vergonhosamente” a se materializar.

“Não pense que os que hoje saem organizados para pedir 'Fora, Dilma' vão às ruas para dizer 'Fica, Temer', para defendê-lo. Não! Depois de arrancarem, com um golpe constitucional, a presidenta da cadeira que ela conquistou pelo voto popular, essa gente vai para casa porque estará cumprida a sua vingança e porque não lhe tem apreço algum. E, seguramente, Vossa Excelência será o próximo a cair”, disse.

Para o petista, a convenção do PMDB marcada para decidir se a legenda ficará ou não no governo só pode ser entendido pelo “viés escancarado do oportunismo”. Costa disse querer crer que as principais lideranças do partido terão a “responsabilidade” e o “equilíbrio” necessários para agir na convenção desta terça-feira, observando que é preciso que a imensa coalizão tem de tirar o Brasil do imobilismo em que a crise política se meteu. Para ele, não se pode criar outra crise, de proporções maiores.

“Não quero aqui imaginar que – em desapreço ao papel constitucional que exerce e ao papel institucional que tem como presidente do PMDB – o vice-presidente da República, Michel Temer, conspurque a própria biografia em uma conspiração para destruir a chapa pela qual se elegeu, ao trabalhar para derrubar a sua titular”, afirmou, ao classificar tal atitude como um ato de ignorância sem tamanho, um suicídio político que poderá jogar o País no caos da instabilidade jurídica e institucional.

Humberto Costa destacou que os golpistas não terão trégua e que, se for violentado o Estado de Direito, seu grupo estará nas ruas no mesmo dia porque não vai aceitar soluções à margem da Constituição.

“O vice-presidente da República precisa ter isso em conta. Não caia nesse canto da sereia, não seja, como no poema de Machado de Assis, o poleá que se encanta pela Mosca Azul. Se Vossa Excelência sucumbir a essa vendeta em curso contra a presidenta Dilma, estará levando o Brasil inteiro a ser tragado por uma maré de forte instabilidade, e o País e a sua biografia não merecem isso”, frisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.