Se confirmada doação legal ao PT com propinas da Petrobrás, temos um governo 'ilegítimo', diz Aécio

Senador tucano disse que é preciso apurar o que disse em depoimento um dos delatores da operação Lava Jato

Nivaldo Souza e Daiene Cardoso, O Estado de S;. Paulo

03 de dezembro de 2014 | 17h36

Brasília - O senador Aécio Neves (PSDB) chamou de "ilegítimo" o governo da presidente Dilma Rousseff caso seja confirmado que o PT recebeu de forma legal doações com base em propina na Petrobrás, conforme denúncia realizada por um dos delatores da Operação Lava Jato. "É preciso que isso seja apurado e, se for (verdade), temos um governo ilegítimo no poder", afirmou.

A doação foi denunciada pelo diretor da Toyo Setal, Augusto Mendonça, no âmbito da delação premiada na Lava Jato. Em depoimento à Polícia Federal, ele afirmou que o esquema envolvendo contratos da estatal incluía doações oficiais a campanhas eleitorais e o pagamento de propina.

Aécio também criticou o projeto que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias que altera o superávit primário, apreciado nesta quarta-feira pelo Congresso Nacional. Ele acusou a presidente Dilma Rousseff de cometer "crime de responsabilidade" fiscal e fazer "chantagem explícita e documentada" ao vincular a aprovação do superávit à liberação de emendas parlamentares. "Nunca vimos um presidente negociando com tamanha fragilidade com sua base", disse. "A presidente vive hoje sob chantagem da sua base".

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.