Se cassados, ACM e Jader não perderiam poder: têm parentes como suplentes

Caso a situação dos dois principais caciques políticos do Senado, o atual e o ex-presidente Jader Barbalho (PMDB-PA) e Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), se complique em função das denúncias surgidas contra ambos, e eles, por acaso, sejam cassados, eles não perderão poder político.Seus suplentes são, respectivamente, seu pai, Laércio Barbalho, e seu filho, Antonio Carlos Magalhães Júnior. Os problemas enfrentados pelos dois inimigos, no entanto, são distintos. Jader é acusado de ter cometido irregularidades no Banpará, e ACM de quebra de decoro por violação do painel de votações.No caso do senador José Roberto Arruda (PSDB-DF) - que também está sob suspeição por alteração do painel, ao lado de ACM - o sucessor de Arruda - o empresário Lindberg Aziz Cury - já está a seu lado, trabalhando em seu gabinete, desde o segundo semestre de 99.Lindberg, que foi sócio de Luiz Estevão em um consórcio de automóveis em Brasília, primeiro senador cassado pelo Congresso, foi o responsável pelo processo contra o ex-senador que levou à primeira ordem de prisão dele pela Justiça.Lindberg acusa Estevão de ter criado embaraços na empresa, que acabou falindo. O assessor de Arruda, que foi filiado ao PMDB, já concorreu, sem sucesso, a duas eleições no DF.Ele se manteve ao lado de Arruda nos últimos dias, inclusive ajudando-o a montar sua defesa apresentada na quarta-feira, em plenário.O suplente de Jader, Laércio Barbalho, já com mais de 80 anos, é um ex-deputado estadual cassado pela revolução. O senador o considera seu guru.Durante muitos anos, o pai de Jader esteve à frente do jornal de propriedade de Jader, ao lado do filho do senador.Já o filho mais velho de ACM, suplente do senador, não tem nenhuma vinculação política. Ele sempre cuidou dos negócios da família, particularmente do grupo Bahia de Comunicações.Pai de Antonio Carlos Neto, que está sendo preparado pelo avô para ingressar na política, Antonio Carlos Filho é administrador e professor da Universidade Federal da Bahia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.