Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'Se andar bem, sou aliada; se andar mal, sou inimiga', diz Janaína sobre Bolsonaro

Em evento em São Paulo, deputada estadual do PSL disse que sua postura em relação ao futuro presidente será de independência

Daniel Weterman e Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2018 | 10h56

A deputada estadual eleita pelo PSL Janaína Paschoal condicionou seu apoio ao governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, a um não envolvimento com corrupção e afirmou que sua postura individual será de independência.

"Se andar bem, sou aliada, se andar mal, sou inimiga", disse Janaína nesta terça-feira, 18, ao chegar para cerimônia de diplomação de políticos paulistas eleitos em outubro. Ela destacou que terá a mesma posição em relação ao futuro governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Na semana passada, a deputada eleita defendeu uma investigação a respeito da movimentação atípica na conta do ex-assessor do senador eleito e filho do futuro presidente, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.