Saúde proíbe promoção de tratamento à base de alcachofra

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Saúde, proibiu nesta terça-feira "propaganda, publicidade e promoção de tratamento" que vem sendo feito no País com injeções à base polifenóis de alcachofra para combater gordura localizada. Em nota, a agência explicou que os polifenóis de alcachofra não têm registro no Ministério da Saúde e, por isso, não podem ser fabricados em escala industrial.As multas para as empresas e distribuidoras - ou outros estabelecimentos - que desrespeitarem a proibição e fizerem divulgação do produto, inclusive na internet, variam de R$ 2.000,00 a R$ 1,5 milhão. As agências de vigilância sanitária nos Estados "são responsáveis pela fiscalização da resolução", informa a nota.Explica que "a decisão da Anvisa foi motivada pela inexistência de comprovação científica que garanta a qualidade, segurança e eficácia do uso do produto, inclusive para tratamento estético." Acrescenta que "a divulgação de preparação magistral individualizada (manipulada) é proibida".A nota informa ainda que, além da proibição da propaganda, um grupo de trabalho formado por técnicos da Anvisa e das vigilâncias sanitárias estaduais investiga as condições de fabricação e comercialização da substância.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.