Saúde domina programa dos presidenciáveis na TV

Os programas no horário eleitoral gratuito na tarde de hoje dos três presidenciáveis mais bem pontuados nas pesquisas de intenção de voto - Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) - tiveram como foco a área da saúde.

ELIZABETH LOPES, Agência Estado

31 de agosto de 2010 | 15h59

O programa de Serra também atacou diretamente a adversária do PT, exibindo imagens de hospitais públicos, que teriam sido inaugurados pelo governo do PT, supostamente deteriorados e em estado de abandono, além de depoimento de populares com críticas diretas à ex-ministra da Casa Civil, dizendo que, ao contrário de Serra, que teria experiência administrativa, ela nunca havia governado e, portanto, não teria nada para mostrar.

Na tentativa de recuperar pontos com a parcela feminina do eleitorado - maioria no País -, Serra falou diretamente às mulheres. "A mulher brasileira quer casa, creche, estudo bom para os filhos, quer a saúde dela em dia e os filhos longe das drogas." No fim da propaganda, o tucano disse que vai manter e ampliar o Bolsa Família, uma das vitrines do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O programa de Dilma Rousseff exibiu os feitos do governo petista na área da saúde e ressaltou: "Quem já fez tanto, pode fazer mais pela saúde do Brasil." Também mostrou algumas propostas da presidenciável, como o Rede Cegonha e a distribuição gratuita de medicamentos. A candidata prometeu que, se eleita, vai reduzir as filas nos hospitais públicos e disse que, apesar de o País ter mudado, ainda há muito por fazer.

Apesar do foco na saúde, o programa de Dilma começou com a mais recente pesquisa Datafolha, que mostra o crescimento da petista num contraponto à queda da candidatura do tucano José Serra. No fim, foram exibidas cenas de comícios de Dilma ao lado de seu principal cabo eleitoral, o presidente Lula.

A candidata do PV, Marina Silva, afirmou que, se eleita, vai manter os médicos mais presentes nas comunidades e reiterou que a saúde começa pelo bom atendimento e prevenção. No fim, o programa de Marina citou que a campanha está aberta a doações pela internet, a partir de R$ 5.

Propostas

Os demais candidatos apresentaram temas variados no horário eleitoral gratuito. Zé Maria, do PSTU, criticou o projeto de reforma agrária do governo Lula e disse que está ao lado do MST. José Maria Eymael, do PSDC, falou da criação de emprego e na instauração de um novo modelo tributário. Levy Fidelix, do PRTB, criticou as pesquisas eleitorais, a grande imprensa e a política econômica.

Ivan Pinheiro, do PCB, pregou uma reforma agrária radical. Plínio de Arruda Sampaio, do PSOL, defendeu mais uma vez a mudança da atual estrutura social. E Rui Costa Pimenta, do PCO, falou que nas gestões do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso a Lula nada foi feito para valorizar o trabalhador da área petroleira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.