Saturnino quer apoio do PSB à candidatura de Lula

Principal dissidência do PSB na discussão sobre a sucessão presidencial, o senador Roberto Saturnino Braga (RJ), que discorda do lançamento da candidatura própria de seu partido, está trabalhando para aumentar a corrente de socialistas em favor da candidatura do petista Luiz Inácio Lula da Silva. Por isso, decidiu não trocar o PSB pelo PT agora. "Vou ficar para ver o desfecho", diz o senador, que ainda tem mais quatro anos de mandato. Saturnino tem conversado com prefeitos, deputados e governadores insatisfeitos com a liderança do governador do Rio, Anthony Garotinho, pré-candidato à Presidência da República e recém-filiado ao PSB. "Não adianta inventar argumentos de que Lula não vai vencer. O PT é o partido mais forte, é preciso reconhecer que tem a maior estrutura partidária. Com uma aliança ampla, um governo da oposição poderá ser eleito com grande força política", diz o senador. A ação da deputada Luiza Erundina (PSB-SP) contra os métodos de Garotinho, que está filiando dezenas de aliados, entre eles o ex-prefeito do Rio, Luiz Paulo Conde, tem sido vista entre os aliados de Saturnino como um futuro bom reforço para a tese de apoio ao PT. Também o governador do Amapá, João Capiberibe, que tem feito muitas críticas à maneira como Garotinho, evangélico, associa religião e política, poderá ser um aliado na luta de Saturnino pela aliança já no primeiro turno. "Um aliança ampla dá força política para elegermos um governo de oposição", defende Saturnino. Nesta ampla coalizão, o senador inclui os pré-candidatos Ciro Gomes (PPS) e Itamar Franco (PMDB), que têm o compromisso de se aliar ainda no primeiro turno. "Apesar das posições pessoais, estou sentindo uma certa disposição de apoiar Lula", afirma Saturnino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.