Satiagraha usou sistema paralelo de grampos, dizem agentes

Jerônimo Jorge da Silva Araújo, da Abin, disse aos deputados que manuseava apenas os áudios dos grampos

Ana Paula Scinocca, de O Estado de S. Paulo,

24 de março de 2009 | 19h44

Os agentes envolvidos na Operação Satiagraha da Polícia Federal (PF) utilizaram um segundo sistema de grampo telefônico, além do "guardião", sistema oficial de interceptação, durante o período em que foram comandados pelo delegado Protógenes Queiroz. Foi o que confirmou nesta terça-feira, 24, à CPI dos Grampos o agente da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Jerônimo Jorge da Silva Araújo. Sem revelar o nome do sistema utilizado, ele disse aos deputados, em depoimento fechado, que manuseava apenas os áudios dos grampos, já devidamente repassados ao computador.

 

Veja também:

linkMendes diz ter avisado Lula sobre grampos ilegais da PF

linkDe Sanctis quis desmoralizar o Supremo, diz Gilmar Mendes

linkSe STF mandar, Lula deverá extraditar Battisti, diz Mendes

especialAs versões de Protógenes

especialEntenda a Operação Satiagraha

especialAs prisões de Daniel Dantas

especialOs alvos da Operação Satiagraha  

 

Quem também depôs ontem na CPI foi o agente Lúcio Fábio Godoy de Sá. Pela manhã, na sede da Abin, ele afirmou ter sido informado por Protógenes que a Satiagraha era uma determinação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente estaria preocupado, segundo o agente, com investigações em torno do seu filho Fábio Luiz da Silva, conhecido como Lulinha.

 

O depoimento de Godoy faz ganhar força a versão de que Protógenes teria investigado ilegalmente autoridades dos três Poderes, como revelado pela revista Veja, segundo integrantes da CPI.

 

A CPI quer agora esclarecer a denúncia com o próprio Protógenes, que presta depoimento à comissão na próxima quarta-feira, 1. "O Protógenes vai ter que dizer se foi ele que disse isso sobre o presidente Lula. Por que essa operação da Polícia Federal teve esse tamanho?", questionou o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR).

 

O presidente da CPI, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), disse que os depoimentos dos agentes mostraram que a Operação Satiagraha não seguiu os "ditames normais" previstos pela PF. "A CPI vem demonstrando uma série de atos praticados que estão em desacordo com as normas e a legislação. Não temos o objetivo de condenar quem quer que seja, estamos apontando fatos doa a quem doer", afirmou.

 

Além de Godoy Sá e Araújo, que preferiram falar à CPI em sessão secreta na sede da Abin, outro agente da agência voltou a prestar depoimento na comissão. Márcio Seltz esteve novamente no Congresso e confirmou ter encaminhado ao ex-diretor da Abin Paulo Lacerda os áudios de parte das interceptações telefônicas realizadas durante a Operação Satiagraha.

 

Seltz disse acreditar, no entanto, que Lacerda pode não ter percebido que tinha os áudios em suas mãos, uma vez que ele descarregou o conteúdo de um pen drive no computador do ex-diretor. O conteúdo do pen drive também reunia o relatório elaborado pelo agente sobre a Satiagraha.

 

"Partindo do pressuposto que o dr. Lacerda está falando a verdade quando diz que não recebeu e também do pressuposto que eu estou falando que encaminhei os áudios para ele, a única possibilidade é que ele tenha visto a pasta do Word (com o relatório) e não tenha visto a pasta ao lado de áudios. Não sei se foi isso que ocorreu. Mas eu colocaria isso como uma possibilidade", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Satiagraha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.