Satiagraha custou R$ 466 mil, revela documento

A Operação Satiagraha, da Polícia Federal, custou R$ 466 mil aos cofres públicos, segundo revela documento confidencial que a instituição encaminhou ao Congresso. O relatório, produzido pela Diretoria de Combate ao Crime Organizado, mostra que nenhuma outra missão de grande envergadura da PF teve custo tão elevado e nenhuma mobilizou tantos agentes e delegados na fase de apuração e na de execução - quando são cumpridos os mandados judiciais de buscas e prisões.A informação, que tem caráter oficial e foi disponibilizada a deputados e senadores, desmonta versão do delegado Protógenes Queiroz, mentor da Satiagraha. Em ofício à Procuradoria da República, entregue em julho e logo depois de ser afastado do caso, Protógenes acusou superiores de boicotarem a missão contra o sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas. A denúncia do delegado levou o Ministério Público Federal a abrir procedimento que visa a identificar o montante que a PF empregou na Satiagraha e o efetivo recrutado.O documento mostra que na primeira etapa da Satiagraha, a de investigação coberta pelo sigilo, foram investidos R$ 288 mil. A fase derradeira, desencadeada em 8 de julho, consumiu mais R$ 178 mil, valor relativo ao deslocamento de 300 policiais para cumprimento de 56 mandados de buscas e 24 prisões. A planilha foi montada a partir de informações cedidas pelas superintendências regionais, diretoria de Inteligência e diretoria Executiva da PF. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.