Satiagraha: Abin nega vínculo com Hugo Chicaroni

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) negou a informação de que Hugo Chicaroni prestasse serviços terceirizadas para o órgão. A tese foi levantada hoje por Renato de Morais, advogado de Humberto Braz, após o interrogatório de seu cliente na 6ª Vara Criminal da Justiça Federal em São Paulo. Braz e Chicaroni são acusados de suposta tentativa de suborno de US$ 1 milhão ao delegado da Polícia Federal (PF) Vitor Hugo Rodrigues Alves, para que o nome do sócio-fundador do Banco Opportunity, Daniel Dantas, e de seus familiares fossem excluídos do inquérito da Operação Satiagraha.De acordo com o advogado de Humberto Braz, apontado como braço direito de Dantas, o contato de seu cliente com Hugo Chicaroni teria ocorrido apenas depois que ele descobriu que teria sido vítima de uma campana por membros da Abin. Com medo de que fosse um seqüestro, o assessor teria pedido que seus advogados localizassem alguém que prestasse serviços à Abin e, dessa forma, teria sido apresentado a Chicaroni.De acordo com a assessoria da Abin, a agência não fez nenhuma tentativa de aproximação a Humberto Braz por meio de Hugo Chicaroni, e não vai se pronunciar sobre o caso. A agência destacou ainda que não trabalha com serviços terceirizados. Amanhã, Hugo Chicaroni será interrogado pelo juiz titular da 6ª Vara Criminal da Justiça Federal, Fausto De Sanctis. Também para amanhã, está marcado o interrogatório de Daniel Dantas. Chicaroni e Braz são os dois únicos envolvidos na Operação Satiagraha que permanecem presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.