Divulgação
Divulgação

Sartori diz que servidores 'devem agradecer por estabilidade', mesmo com parcelamento de salários

Fala do governador do Rio Grande do Sul ocorre em mais um momento de incerteza sobre o pagamento da folha do funcionalismo; governo gaúcho parcelou salários em julho e agosto

Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2015 | 19h52

PORTO ALEGRE - O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), causou polêmica nesta quinta-feira, 26, ao se referir ao funcionários públicos gaúchos. Durante uma solenidade no Palácio Piratini, Sartori disse que os servidores estaduais devem dar "graças a Deus" por terem estabilidade no emprego, mesmo que tenham seus salários parcelados. A fala de Sartori ocorre em mais um momento de incerteza sobre o pagamento da folha do funcionalismo. O governo ainda não confirmou se terá dinheiro para depositar em dia o salário integral dos servidores referente a novembro. Sartori já recorreu duas vezes ao parcelamento desde que assumiu o cargo.

"Ainda hoje numa reunião com os servidores eu disse: 'Vocês às vezes reclamam porque têm penalização, às vezes parcelou salário, às vezes não receberam em dia. Deem graças a Deus que vocês têm estabilidade, que têm garantia no trabalho. Agora os outros que estão perdendo o emprego, que estão perdendo o trabalho, e não têm oportunidade, o que nós estamos fazendo aqui? É tentar movimentar a economia, dar oportunidade de ter mais trabalho e mais renda, porque, afinal, o poder público também tem que ser mudado'", discursou Sartori.

A crise financeira do Estado levou o governo gaúcho a parcelar os salários de julho e de agosto dos servidores vinculados ao Executivo. A medida provocou paralisações e protestos de diversas categorias do funcionalismo. Além disso, o Rio Grande do Sul vem atrasando todos os meses o pagamento da dívida com a União e protelando repasses a prefeituras, hospitais, escolas e fornecedores.

Nesta semana, o Piratini conseguiu aprovar na Assembleia Legislativa um projeto que permite que a General Motors (GM) antecipe a devolução de recursos obtidos por meio de incentivos fiscais, em troca de um desconto fornecido pelo governo gaúcho. A medida tem potencial para injetar R$ 302 milhões nos cofres estaduais. O dinheiro era considerado essencial para permitir o pagamento da folha do funcionalismo na próxima segunda-feira. Apesar disso, até agora não houve confirmação de que os salários serão pagos na íntegra. Mesmo se isso acontecer, em dezembro também existe o risco de parcelamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.