Sarney: Venezuela pode provocar corrida armamentista

O senador Jose Sarney (PMDB-AP) voltou a alertar que a Venezuela está iniciando um movimento que pode dar início a uma corrida armamentista na America Latina. O ex-presidente afirmou para investidores em Nova York que considera o regime da Venezuela um "socialismo de fantasia". Sarney disse que, por ter sido "o presidente da transição (da ditadura militar para a redemocratização)", tem "a função de lutar pela Democracia na America Latina". "Estou apoiando o presidente Lula, porque (ele) foi a solução para o Brasil.""Tem aqueles que querem fortalecer a Democracia e aqueles que estão marchando para o populismo", afirmou em referência ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez. "A reforma constitucional (promovida por Chávez) tem intenção de fazer uma revolução socialista, o que é um retrocesso", avaliou. "Este é um assunto interno, não podemos interferir. Quanto a compra de armas, sim", disse. "Não tem explicação o porque a Venezuela compra tanto armamento."Sobre o Mercosul, Sarney comparou o acordo ao processo experimentado pela União Européia. Disse que, "como o desejo é ampliar o mercado comum para toda a America Latina, teremos problemas". Ele ponderou que o projeto integrando toda a região não deve ter conclusão rápida.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

30 de novembro de 2007 | 19h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.